segunda-feira, 26 de setembro de 2016

AECOPS rejeita agravamento de impostos sobre o património

Face às recentes notícias de um aumento da tributação sobre os imóveis, a AECOPS considera que a criação, neste momento, de qualquer novo imposto sobre o património imobiliário é gravosa para a economia nacional e apela ao Governo para que deixe de tratar as questões de alteração fiscal neste domínio como uma solução de recurso, com efeitos imediatos nos cofres públicos mas que compromete as expectativas de recuperação futura.

A Associação teme que, no contexto de uma conjuntura económica instável, com um crescimento abaixo do previsto, mas em que o imobiliário se revela como a componente mais dinâmica do investimento em Portugal, mais impostos sobre os imóveis, ou a alteração dos já existentes, conduzam a uma redução do investimento imobiliário.

Mais de 700 apartamentos premium em venda no centro de Lisboa este ano

A JLL estima que este ano, cerca de 720 novos apartamentos da gama alta estejam em venda no centro de Lisboa, um número que representa um crescimento de cerca de 18% face à oferta contabilizada no ano passado, em torno das 600 unidades, e de 40% face a 2014 (pouco mais de 500 apartamentos).

Os números foram apresentados pela consultora durante uma sessão de debate realizada esta quarta-feira no âmbito do Portugal Real Estate Summit, evento que reuniu cerca de 300 investidores e promotores imobiliários nacionais e internacionais nos dias 20 e 21 de setembro e do qual a JLL foi patrocinadora.

Office Flashpoint: Ocupação de escritórios até agosto já supera os 90.000 m²

O mercado de escritórios de Lisboa absorveu uma área de 91.110 m² no acumulado dos primeiros oito meses de 2016, num crescimento anual de 30% na atividade ocupacional e traduzindo a realização de 130 operações. Um momento positivo para o qual muito tem contribuído o trabalho desenvolvido pela JLL, que assessorou a colocação de 29% da área total transacionada até agosto.

Não obstante este crescimento e no que diz respeito à performance mensal do mercado, agosto foi o mês menos dinâmico, tendo sido transacionados apenas 3.918 m². Um valor que ficou 49% abaixo do registado no mês anterior e inferior em 71% face aos níveis de absorção de agosto de 2015, apurou a JLL.

Mais procura e falta de dinâmica da oferta fazem subir os preços das casas

Os resultados do RICS/Ci PHMS de Agosto de 2016 apontam para um novo acréscimo da procura no mercado de habitação. A dinâmica dos compradores continua a superar a oferta, tendo as novas ofertas no mercado descido ligeiramente ao longo do mês.

Tal está a conduzir a um aumento dos preços das casas em todas as regiões cobertas pelo inquérito. O mesmo sucede no mercado de arrendamento, no qual a reduzida oferta tem exercido uma forte pressão para a subida das rendas, cujo crescimento acelerou significativamente de acordo com os últimos resultados.

No mercado de compra e venda, a procura por parte de novos compradores aumentou a um ritmo sólido quer em Lisboa quer no Porto, enquanto o Algarve registou uma subida mais contida ao longo mês. Ao mesmo tempo, em todas as regiões assistiu-se a uma diminuição da entrada de novos fogos para venda . As vendas acordadas continuaram a apresentar um resultado bastante positivo, com todas as regiões a apresentar um ligeiro aumento no volume das transações.

Continuar a ler...

Fonte: Ci

Mercado de investimento imobiliário em Portugal mantém grande atratividade

O mercado de investimento imobiliário comercial em Portugal mantém a sua atratividade junto dos principais investidores estrangeiros. Até à data foram transacionados no nosso país mais de 950 milhões de euros em ativos imobiliários, valor ligeiramente inferior a igual período do ano anterior, mas que representa praticamente o triplo do volume médio investido nos últimos dez anos.

A Cushman & Wakefield revela que o aumento muito considerável da negociação de portfólios conduziu a um valor médio por operação muito superior ao habitual, 38 milhões de euros. De entre os 25 negócios fechados nos primeiros 8 meses do ano, 9 referem-se a portfólios de ativos.

Habitação perto de máximos históricos

Segundo dados recentemente publicados pelo FMI, o sector da habitação está muito perto de atingir o máximo histórico registado antes da crise do subprime, com o The Global House Price Index a atingir um valor acima de 150 no final do 1º trimestre de 2016. De facto, verifica-se uma tendência contínua de crescimento de preços na habitação que dura já mais de 3 anos.


Fonte: Out of the Box

CBRE eleita melhor consultora imobiliária em Portugal

A CBRE Portugal foi eleita a melhor consultora imobiliária em Portugal nos Euromoney Real Estate Awards 2016 e arrecadou também os prémios de todas as categorias a nível nacional – Agência/Arrendamento, Research e Avaliações.

Para além da distinção de melhor consultora imobiliária em Portugal, a CBRE foi considerada melhor consultora global pelo 5º ano consecutivo e líder na Europa Ocidental, América do Norte e 21 países a nível individual, como a Austrália, França, Reino Unido e Japão.

2º trimestre com desempenho negativo do setor da Construção

Segundo as Contas Nacionais Trimestrais do INE, o desempenho do setor da Construção no 2º trimestre de 2016 voltou a revelar-se negativo, acentuando as quebras homólogas já verificadas no 1º trimestre, quer no que diz respeito à Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) em construção (-4,9%, após uma redução de 3,9% até março), quer no Valor Acrescentado Bruto (VAB) do Setor (-3,7%, após uma quebra de 2,8% ao longo dos três primeiros meses do ano).

Aguirre Newman comercializa em exclusivo o Edifício República 18

A consultora imobiliária Aguirre Newman foi instruída pela AZATA Património S.L. para a comercialização, em regime de exclusividade, do edifício República nº 18, em Lisboa.

Este edifício misto de escritórios e comércio está localizado em plena Avenida da República, junto ao Saldanha e conta com 6.300m² distribuídos por 16 pisos acima do solo. Trata-se de um activo destinado a empresas que privilegiem a proximidade a uma grande diversidade de transportes públicos bem como aos rápidos acessos ao interior e exterior da cidade.



JLL traz a tecnológica ITEN para o edifício Porto Office

A JLL acaba de fechar mais uma operação no mercado de escritórios do Porto. O departamento de Office Agency foi responsável pela colocação da ITEN nas suas novas instalações na cidade Invicta, tendo a decisão recaído sobre o edifício Porto Office, na denominada Zona Empresarial do Porto.

No âmbito desta operação de aquisição ao Banco Santander Totta, a empresa portuguesa da área de tecnologias da informação passa a ocupar uma área de 753 m² no edifício localizado frente ao IPAM, compreendendo um piso de escritórios e uma loja no rés-do-chão, complementados por espaços de estacionamento.



C&W coloca Kiwoko no Albufeira Retail Park

A Cushman & Wakefield colocou recentemente uma nova loja da Kiwoko no Albufeira Retail Park. Nesta transação, a consultora atuou em nome da Internos Global Investors.

A Kiwoko é a marca líder em produtos para animais domésticos, e ocupa cerca de 825 m2 de área em Albufeira. Atualmente presente em Portugal e Espanha, onde detém mais de 80 lojas, a Kiwoko distingue-se pelo seu formato de megastore onde têm disponíveis mais de 5.000 produtos diferentes. 

C&W arrenda totalidade da Torre Fernão de Magalhães no Parque das Nações

A Cushman & Wakefield completou recentemente o arrendamento de todas as áreas de escritórios da Torre Fernão de Magalhães no Parque das Nações.

Situada em plena Avenida D. João II, a Torre Fernão Magalhães conta com 8.000 m2 de escritórios divididos por 15 pisos. Com arquitetura de Jean Wilmotte, o edifício tem vistas panorâmicas de rio, espaços flexíveis e conta ainda com lojas de rua e parque de estacionamento privativo com 293 lugares.

Crescimento das rendas de escritórios na Europa no 2º trimestre de 2016 é o mais forte dos últimos 5 anos

As rendas dos escritórios prime na Europa aumentaram 1,5% no 2º trimestre de 2016 face ao trimestre anterior. Além de acelerar face aos 0,7% de variação trimestral observados no 1º trimestre do ano, esta é também a subida mais forte dos últimos cinco anos, superando as regiões da América e da Ásia-Pacífico. Estocolmo foi o mercado europeu a registar o crescimento mais expressivo, com as rendas a aumentarem 9,4% em termos trimestrais, seguido de Berlim (+6,3%).

“A procura de escritórios está a mostrar-se bastante resiliente em muitos dos principais mercados de imobiliário comercial do mundo, apesar da crescente incerteza política e económica estar a gerar uma atitude mais cautelosa por parte dos ocupantes corporativos”, disse Jeremy Kelly, Diretor de Global Research Programmes da JLL. “Os fundamentals do mercado estão bastante sólidos e a procura corporativa está a resistir bem, especialmente na Europa Continental. Estocolmo, em particular, foi o mercado estrela da Europa no trimestre, com um pico na procura a impulsionar as rendas em 9,4%”.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

ISCAP lança pós-graduações em gestão do património imobiliário

As duas pós-graduações em gestão do património imobiliário, uma para cada vertente (ramos público e privado) da própria área, vão funcionar já em 2016/2017, com as candidaturas a abrirem já a 29 de agosto. Ambos os cursos vão funcionar em regime pós-laboral às sextas-feiras (das 19h às 23h) e ao sábado (09h às 13h).

Continuar a ler...

Fonte: Porto 24

IHRU lança linha de crédito de 2 ME para reabilitação de habitação social

Segundo o IHRU, o novo Programa de Financiamento a Condóminos é destinado a proprietários de habitações em edifícios de propriedade horizontal, nos quais o instituto também detém frações.

O financiamento para reabilitação pode "atingir o valor máximo de 15 mil euros e alcançar o montante de 100% do valor das obras a realizar", com uma taxa fixa de 1%, informou o IHRU, referindo que o prazo de reembolso dos empréstimos é de cinco a 12 anos.

Continuar a ler...

Fonte: Sapo 24

Programa de Financiamento a Condóminos

Conforme anunciado pelo Secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, na passada sexta-feira, dia 5 de agosto, o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) acaba de lançar uma linha de crédito destinada a financiar os proprietários de habitações (condóminos) em edifícios constituídos em propriedade horizontal, nos quais o Instituto também detém frações.

Luís Lima: Realidades

Sucessivas políticas erradas habitacionais em Portugal, nomeadamente as que assentaram na estranha imposição do congelamento das rendas, desertificaram e ajudaram a degradar o património construído dos centros das principais cidades, contribuindo para que, na hora dos primeiros booms habitacionais, a solução possível tenha sido a da promoção das periferias e até das periferias das periferias.

Um país de alguns proprietários e muitos arrendatários transformou-se nos finais do século XX num país de muitos proprietários, por força do aliciamento que o Estado, interessado em construir menos habitação social, e as instituições financeiras, a experimentar novas áreas de negócio, faziam junto dos portugueses que procuravam casa.

Chineses preferem casas novas

Um inquérito realizado pela Juwai.com - plataforma integrada que junta agentes imobiliários internacionais e compradores chineses - mostra que grande parte dos investidores chineses em habitação, preferem comprar imóveis novos em vez de usados.

De facto, das respostas obtidas, a preferência na compra de uma casa nova, comprada directamente ao construtor, obteve uma pontuação de 7,3 (em 10), enquanto que a opção por uma casa existente apenas obteve um score de 5,8.


Fonte: Out of the Box

Alexandre Herculano 41 reabilita edifício com 130 anos para habitação junto à avenida da Liberdade

O edifício de 1886 situado no número 41 da rua Alexandre Herculano, bem na esquina com a rua Rodrigo da Fonseca, junto à avenida da Liberdade, em Lisboa, vai receber um novo projeto residencial premium.

Promovido pela Louvre Capital, o Alexandre Herculano 41 será reabilitado a partir de um projeto assinado pelo atelier de Frederico Valsassina e inicia esta semana o processo de comercialização. A JLL/Cobertura foi a empresa selecionada pelo promotor para proceder às vendas dos 21 apartamentos que compõem a oferta.

“A avenida da Liberdade e artérias adjacentes são uma das zonas mais centrais e importantes de Lisboa.


Imobiliário comercial português movimenta €885 milhões nos primeiros seis meses de 2016

Entre janeiro e junho de 2016, foram investidos €885 milhões na aquisição de imóveis de uso comercial [1] em Portugal. Este volume de investimento foi aplicado em 21 transações, as quais envolveram imobiliário de retalho, de escritórios, de logística/industrial e ainda hotéis.

Os dados são revelados pela JLL no seu mais recente Market Pulse, onde a consultora analisa a performance dos mercados ocupacionais e de investimento imobiliário no 2º trimestre de 2016. Os imóveis para uso de retalho foram os mais transacionados no semestre, concentrando 45% do total investido, e também os ativos de escritórios mereceram a atenção dos investidores, ao serem responsáveis por 39% do volume semestral de investimento.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

João Villar: O Bicho-Papão do Imobiliário

Existe pouco conhecimento, da parte de proprietários de imóveis, relativamente ao serviço de mediação ou consultoria imobiliária. A maioria das pessoas não quer sequer perceber, no entanto, uma coisa é certa: quando chega a altura de vender, todos querem a maior rentabilização, o mais rapidamente possível, e, de preferência, sem custos intermediários.

Antes de chegar à questão do exclusivo e comissão, gostava só de contextualizar o negócio de vender uma casa. Há que encarar a venda de um imóvel como um negócio, mas um negócio complexo. Não é a mesma coisa que vender um carro usado ou um móvel no OLX, existem regras legais para cumprir, ferramentas e bases de dados para chegar ao "valor de mercado" (que normalmente, apenas empresas da área têm acesso), os valores são muito elevados, as burocracias são exigentes, e todo o processo de venda pode ser bastante complexo, demorado, difícil e até stressante, para quem não está habituado. Por isso é que existem agências imobiliárias e por isso é que a profissão de agente/consultor/broker imobiliário (👤) existe.

Mitos, factos, explicações e revelações sobre o aumento do IMI por causa do sol e da vista

É a polémica do momento: o agravamento de 5% para 20% no parâmetros do IMI que incide sobre a “localização e operacionalidade relativas” (que está relacionado com a exposição solar ou a existência de uma varanda ou terraço nas casas).

A alteração ao decreto-lei foi publicada segunda-feira e entrou em vigor no dia seguinte. A oposição diz que se trata de um aumento de impostos inaceitável, o Governo sustenta que é uma questão de “justiça fiscal”, o BE está a estudar. Nas redes sociais, o tema explodiu.

O Expresso explica o que realmente muda (sabia, por exemplo, que ter uma paragem de autocarro ao pé de casa também agrava o IMI?), com a contribuição da DECO. E apresentamos ainda as argumentações políticas.


Fonte: Expresso

Imóveis com casas para alugar a turistas vão ter quota para arrendamento habitacional

Os proprietários de imóveis para arrendar a turistas vão ter de guardar uma quota para colocar no mercado da habitação local.

Os proprietários de apartamentos para arrendar a turistas — o alojamento local — vão passar a ter de guardar uma parte das suas propriedades para arrendar normalmente para habitação, noticia esta quarta-feira o Jornal de Negócios. Trata-se de uma espécie de quota, que obriga os proprietários de mais de um determinado número de apartamentos para turistas a reservar uma percentagem para o mercado local.

Continuar a ler...

Fonte: Observador

Alojamento local obrigado a ter quotas para arrendamento habitacional

Quem tem muitos imóveis para arrendar a turistas, vai ter de reservar uma parte para as rendas normais. A proposta será discutida a partir de Setembro, a que se soma a revisão do regime fiscal e a hipótese de o condomínio ser mais alto.


Fonte: Negócios

Os mercados alternativos como uma alternativa de investimento imobiliário

O mercado imobiliário tem surgido como alternativa segura e mais rentável às classes de ativos tradicionais, o que juntamente com o elevado nível de liquidez a nível global, gerou um “boom” nos volumes de investimento em imobiliário.

Face a este dinamismo, surgiram novas classes de ativos, até então, pouco exploradas na maioria dos mercados europeus. A estas classes de ativos, nomeadamente residências de estudantes e senior, denominamos como mercado de alternativos, que têm ganho um elevado interesse por parte dos investidores em toda a Europa.

Juntamente com a atual atratividade e segurança do mercado imobiliário, o crescimento do número de estudantes em mobilidade internacional em toda a Europa foi um importante impulsionador do mercado de residências de estudantes. Grandes instituições de investimento imobiliário apostaram no crescimento deste mercado através da aquisição de portefólios de ativos para desenvolvimento, transformando um mercado até há pouco negligenciado, num mercado vibrante e profissionalizado.


Fonte: VI

Índice de Custos de Construção de Habitação Nova acelerou ligeiramente

A taxa de variação homóloga do Índice de Custos de Construção de Habitação Nova, no Continente, foi 0,1% em junho (variação nula em maio). O Índice de Preços de Manutenção e Reparação Regular da Habitação, no Continente, apresentou uma taxa de variação homóloga de -0,1% (variação nula no mês anterior).


Fonte: INE

Sonae Sierra regista um resultado líquido de €59 milhões no primeiro semestre de 2016

A Sonae Sierra, empresa internacional dedicada a servir as necessidades de investidores de retalho imobiliário, apresentou um resultado líquido de €59,0 milhões, no primeiro semestre de 2016, registando um aumento das vendas dos lojistas na Europa e da taxa de ocupação global, o que vem reforçar a tendência de contínua recuperação.

As vendas de lojistas do portefólio europeu registaram um aumento de 3,9% nos primeiros seis meses de 2016, numa base comparável com o período homólogo de 2015, sendo de assinalar o crescimento de 11,1%, em Espanha, e de 4,5%, em Itália.

JLL vende edifício sede da NOS no Campo Grande detido pela Multi Corporation

A Multi Corporation vendeu o edifício que é sede do grupo de telecomunicações e entretenimento NOS a um fundo de investimento asiático, numa operação que foi intermediada pela consultora imobiliária JLL, mandatada em exclusivo pelo proprietário do imóvel para proceder à sua alienação.

O imóvel foi construído especificamente para acolher a sede desta empresa, em 2012, e protagoniza, com esta venda, uma das maiores transações de ativos únicos no mercado de escritórios este ano, confirmando este segmento como um dos que maior interesse tem gerado junto de investidores internacionais.

“Este é um dos edifícios prime de escritórios mais proeminentes de Lisboa, proporcionando um cash flow seguro através de um contrato de longo prazo com um inquilino de referência.


terça-feira, 2 de agosto de 2016

Câmara de Loulé reabilita edifício da Música Nova

A empreitada de reabilitação do solar da Música Nova, no centro de Loulé, que visa criar neste local um centro cultural dedicado ao ensino de música, foi consignada esta quarta-feira.

Depois de recuperado o edifício, uma das suas alas será destinada à Banda Filarmónica “Artistas de Minerva”, que passa a ter ali a sua sede, estando ainda prevista a instalação, no mesmo prédio, do Conservatório de Música de Loulé e de um auditório.


Fonte: Sul Informação

11ª Edição do Programa de Renda Convencionada

A partir do dia 1 de Agosto a Camara Municipal de Lisboa (CML) vai abrir as candidaturas para o arrendamento de mais 10 habitações municipais, com rendas inferiores aos valores do mercado, no âmbito do Programa de Renda Convencionada.

As candidaturas online estarão abertas de 1 de Agosto a 15 de Setembro de 2016 e as habitações podem ser visitadas na semana de 29 de Agosto a 2 de Setembro (consultar o dia de visita para cada habitação).

Fonte: CML

Mercado encara o setor imobiliário com otimismo

De acordo com um inquérito realizado pela Deloitte Real Estate Market Sentiment, 70% dos inquiridos consideram que o setor imobiliário regista atualmente uma melhor performance quando comparado com os 6 meses anteriores, e 60% dos inquiridos consideram ainda que o setor vai evoluir positivamente no próximo semestre.

Os segmentos de imobiliária residencial (50%), hotelaria (50%) e imobiliária turística (54%) são aqueles onde se prevê um maior aumento nas taxas de rentabilidade dos investimentos imobiliários. De acordo com os inquiridos, as variáveis que irão ter um impacte positivo na evolução do setor imobiliário no próximo semestre, são: a procura (75%) e a reabilitação urbana (70%).

Construção de centros comerciais sobe para 41,9 milhões m2

Segundo o mais recente estudo da CBRE, a construção mundial de centros comerciais continua a aumentar de 39 milhões de metros quadrados, em 2014, para 41,9 milhões em 2015. As cidades asiáticas marcam presença em nove dos dez mercados globais mais ativos.

O relatório que analisa a promoção dos centros comerciais em 168 grandes cidades, destaca o facto da China continuar a ser o mercado mais ativo no que respeita à disponibilização de novos espaços, representando dois terços da construção a nível global. Cidades como Chongqing, Shenzhen, Chengdu e Xangai têm mais de 3 milhões de metros quadrados em construção, com mais de 30 projetos em cada cidade.

Office Flashpoint: Junho concentra perto de um terço da absorção semestral de escritórios

Com 27.048 m2 arrendados, Junho foi o mês mais dinâmico deste ano na atividade do mercado de escritórios de Lisboa, concentrando cerca de 34% do volume total da área absorvida ao longo do primeiro semestre (79.506 m2), revela o último Office Flashpoint da JLL, consultora responsável pela colocação de 25% da área arrendada entre janeiro e junho.

Refletindo um crescimento de 110% face ao nível de atividade registado em maio (12.887 m²), o qual já tinha sido também um mês bastante ativo, a absorção verificada em junho apresenta ainda um aumento de 112% face à atividade do mês homólogo. No acumulado do semestre, a nota é também de crescimento, com a absorção a subir 57% face ao primeiro semestre do ano passado.

Casa soalheira e com vista pode agravar IMI em 20%

Casas com vista e boa exposição solar já valem mais no mercado imobiliário. Mudança no coeficiente que avalia a qualidade e o conforto decorrente da localização vai torná-las mais rentáveis ao fisco.

O imposto municipal sobre imóveis (IMI) pode subir ou descer dependendo da vista ou da exposição solar da habitação. Até aqui, estas características podiam valer no máximo 5% no cálculo do imposto, mas agora podem chegar ao máximo de mais 20% ou, por outro lado, desagravar o IMI até 10%.


Fonte: RR

IMI baixa se a casa tiver vista para uma ETAR ou um cemitério

Uma casa com vista deprimente pode passar a pagar menos IMI. Quem tiver boas vistas sujeita-se a pagar mais. As regras do Imposto Municipal sobre Imóveis mudaram. Um dos items para avaliar o valor do imposto, a “localização e operacionalidade relativas”, passou a ter uma importância diferente - um proprietário de uma casa com vistas excelentes verá o IMI aumentado; quem more em frente a um cemitério ou tenha vista para uma ETAR pode pedir a reavaliação da casa para pagar menos imposto.

Continuar a ler...

Fonte: Jornal i

terça-feira, 26 de julho de 2016

Programa de reabilitação urbana para arrendamento condicionado já "emprestou" 12,2 ME

O Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) já "emprestou" 12,2 milhões de euros, de uma linha de crédito de 50 milhões, para reabilitar edifícios destinados à habitação permanente sujeita a renda condicionada, estando a ser intervencionados 77 prédios.

Em Braga, na assinatura de um protocolo com a Câmara Municipal, a primeira a aderir ao programa Reabilitar para Arrendar - Habitação Acessível, o presidente do Conselho Diretivo do IHRU, Vítor Reis, explicou que o objetivo desta iniciativa é "dinamizar" a reabilitação urbana criando "rendas acessíveis".

Continuar a ler...

Fonte: Sapo 24

Município de Braga na primeira linha de ‘reabilitar para arrendar’

Braga foi o primeiro município a assinar um protocolo de cooperação com o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) para ajudar a dinamizar o programa ‘Reabilitar para arrendar - habitação acessível’ que pretende reabilitar edifícios antigos para habitação arrendada.

O protocolo foi assinado ontem, em Braga, pelos presidentes do Conselho Directivo do IHRU, Victor Reis, e da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio. Braga foi apontada como ‘paradigmática’, à luz do que acontece noutros centros urbanos do país, no que toca a prédios devolutos e à necessidade de reabilitar num país com quase seis milhões de alojamentos para quatro milhões de famílias.

Continuar a ler...

Fonte: Correio do Minho

AL

As duas letras AL, iniciais das palavras Alojamento Local, estão regulamentarmente a azul, mas podiam estar a verde pois correspondem a opções para o arrendamento de imóveis muito esperançosas para os respetivos proprietários e para a própria economia portuguesa.

Aquelas duas letras identificam instalações imobiliárias destinadas ao chamado Alojamento Local, ou seja, a arrendamentos sazonais, sob a forma de prestação de serviços, que é tributada a 15% na categoria B do IRS e não aos 28% dos rendimentos prediais (categoria F) determinados para o mercado de arrendamento urbano clássico.

Valor médio de avaliação bancária aumentou

O valor médio de avaliação bancária do total do País fixou-se em 1065 euros/m2 em junho, registando um aumento de 5 euros/m2 face ao valor observado em maio (variação de 0,5%). A variação homóloga em junho foi 3,4%, que compara com um aumento de 3,3% no mês anterior.

Continuar a ler...

Fonte: INE

Maior transação no Mercado de Escritórios pela Aguirre Newman e Worx

A consultora imobiliária Aguirre Newman foi responsável pela concretização da mais importante operação de arrendamento de escritórios no mercado imobiliário este ano, tratando-se de mais um negócio realizado com a ManpowerGroup Portugal, desta vez nas Torres de Lisboa, passando a ocupar 8.000m².

Nesta operação de arrendamento, a Worx Real Estate Consultants representou o proprietário das Torres de Lisboa e a Aguirre Newman identificou a procura ManpowerGroup Portugal.