quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Apesar dos sinais animadores, recuperação do mercado imobiliário residencial só em 2014

O mercado de compra e venda de habitação continuou, em outubro, a evidenciar uma estabilização das suas condições, com sinais animadores nos vários indicadores analisados, revela o Portuguese Housing Market Survey (PHMS), um relatório produzido mensalmente pelo RICS e pela Confidencial Imobiliário (Ci).

Contudo, e apesar do documento revelar que que a presente dinâmica de mercado parece mostrar-se bem menos negativa que a alguma vez observada ao longo dos 3 anos de realização deste inquérito, refere que é ainda cedo para falar de uma recuperação deste mercado.

De acordo com Josh Miller, Economista Sénior do RICS, “apesar de os resultados do inquérito de outubro voltarem a transmitir uma mensagem de estabilização no mercado de compra e venda e os recentes dados económicos continuarem a mostrar-se encorajadores, será preciso esperar até 2014 para se poder falar de uma recuperação do mercado imobiliário residencial".

Ricardo Guimarães, Diretor da Ci, acrescenta: “Por um lado, o sentimento de mercado está a melhorar, refletindo um potencial aumento da procura e também uma resposta ao melhor cenário macroeconómico. Porém, os potenciais compradores estão ainda preocupados com riscos relacionados com os preços e continuam à procura de bons negócios”.

O mais recente PHMS revela que no mercado de compra e venda, a série relativa a transações acordadas manteve-se, enquanto os dados referentes a novas instruções de compra se mostraram positivos pelo terceiro mês consecutivo. Por seu turno, o índice nacional de confiança, medida composta baseada nos preços e expectativas relativas a vendas, caiu ainda mais em outubro situando-se em -9, valor mais negativo que o de -3 observado em setembro.

Mesmo assim, o resultado deste mês mostra-se ainda bastante próximo dos níveis mais elevados de toda a série. Apesar de os preços das casas continuarem em queda, o saldo de respostas referente a preços indica que o ritmo melhorou bastante face ao final do ano passado. Paralelamente, as expectativas relativas a vendas para o próximo trimestre continuam positivas.

No que respeito o mercado de arrendamento, a nota continua a ser de abrandamento, com a procura por parte dos arrendatários a evidenciar estagnação, ao passo que as novas instruções por parte dos proprietários caíram. Ao mesmo tempo, as expectativas relativas ao volume de arrendamentos apontam para uma ligeira mudança no próximo trimestre. Os resultados dos últimos meses sugerem uma desaceleração da atividade. Em linha com os resultados dos últimos inquéritos, as rendas continuam a cair e as expectativas mantêm-se negativas para o próximo trimestre, ainda que em menor grau do que o observado há 6 meses.

Em termos regionais, Lisboa parece estar a conduzir grande parte das melhorias observadas no mercado de compra e venda. Já no Porto, é o sector de arrendamento que se tem vindo a reforçar, com a procura por parte dos arrendatários e as instruções dos proprietários a mostrarem-se particularmente fortes face aos principais resultados.

Fonte: Ci