sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

C&W: Tendências no sector de escritórios a nível global

A Cushman & Wakefield (C&W) publicou a mais recente edição do estudo Global Office Forecast, no qual identifica a eficiência e a qualidade como os pontos chaves na procura de escritórios em todo o mundo, bem como no nível de rendas praticado.

Em relação às perspetivas de evolução, o estudo aponta para um crescimento moderado do mercado global de escritórios em 2014 que se intensificará em 2015, pelas esperadas recuperação e maior confiança nos mercados. As cidades de Jakarta, Dublin e Boston são os líderes regionais no que toca às estimativas para o crescimento das rendas de escritórios até 2015.

“A redução nas áreas ocupadas e mudança para espaços de maior qualidade são as duas tendências globais que vão permanecer”, afirma Carlos Oliveira, partner, diretor do departamento de escritórios da C&W. “O espaço de trabalho está a tornar-se cada vez mais complexo e interligado com a performance e objetivos de negócio. Os espaços mais modernos e eficientes são impulsionadores de uma maior produtividade bem como importantes na satisfação dos colaboradores.”

EMEA. Londres, Estocolmo e Frankfurt dominaram a recuperação do mercado de arrendamento e são agora seguidas por outras cidades, incluindo algumas das que têm tido desempenhos piores, como Dublin. Apesar de não estarem agendados projetos para novas construções, espera-se que esta cidade registe um aumento de rendas na ordem dos dois dígitos.

“Os arrendatários manifestam uma preferência clara para espaços de elevada qualidade mas muitos deles têm vindo a deparar-se com constrangimentos a nível de oferta num número considerável de cidades. Este facto tem vindo a aumentar as rendas e os ocupantes são obrigados a mudar-se mais rapidamente do que tinham previsto, de forma a garantir espaços de qualidade que são cada vez em menor número”, segundo Carlos Oliveira.

Continente Americano. Os sectores da energia e tecnologia continuam a ser os principais impulsionadores da recuperação do sector imobiliário. Como resultado, é expectável que a cidade de Boston, importante cluster tecnológico, continue a assistir a uma grande procura, o que pode impulsionar o aumento nas rendas prime na ordem dos 22%.

Espera-se que no Canadá, México e Brasil possa haver uma situação de excesso de oferta, pelo abrandamento de procura nestes países. As rendas sofrerão um ligeiro decréscimo no Canadá e no México e no Brasil o crescimento generalizado das rendas não se registará antes de 2016.

“Em 2014, as condições do mercado de escritórios vão variar bastante no continente americano. A recuperação económica favorece alguns setores e os mercados em que estes estão localizados”, comentou Carlos Oliveira.

Ásia. Na Ásia, o crescimento das rendas será na ordem dos 1 a 2% durante o próximo ano. As taxas de crescimento serão mais significativas num número limitado de localizações, core e emergentes, liderado por Tóquio e Manila onde se observa um forte crescimento económico.

Com a abundância de nova oferta nos mercados emergentes, os ocupantes conseguem bons preços em espaços de qualidade. No entanto, Jacarta é uma das exceções, neste mercado é expectável que as rendas registem pelo segundo ano consecutivo o maior crescimento a nível global, na ordem dos 30%, duplicando desta forma o valor das rendas praticadas em 2011.

Fonte: Cushman & Wakefield