terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Rendas Inquilinos e empresários preocupados com prazos de contratos

A Associação dos Inquilinos do Norte de Portugal (AINP) comentou que a possibilidade de o senhorio unilateralmente fazer o contrato cessar no final de sete anos (cinco anos do período transitório e dois anos de prazo certo de vigência do contrato), "pode não conferir ao arrendatário a garantia de recuperação do investimento realizado no edificado".

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL), por seu turno, alertou para o encerramento de empresas, como estabelecimentos de comércio de proximidade/tradicional, "designadamente na restauração e nos serviços, em consequência do aumento das rendas para valores que as atividades não conseguem acomodar".


Fonte: Notícias ao Minuto