quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Tim Seconde: 'Em Portugal, o volume de investimento em imobiliário comercial triplicou comparativamente a 2012'

De acordo com o último estudo da CBRE, no quarto trimestre de 2013, Londres registou a actividade trimestral de investimento em imobiliário comercial mais elevada de sempre, em resultado de uma multiplicação de transações antes do final do ano, que se refletiu num aumento do volume total de investimento Europeu.

O investimento total em imobiliário comercial na Europa alcançou 53,4 mil milhões de euros no quarto trimestre de 2013, uma subida de 45% face ao terceiro trimestre de 2013 e de 19% face ao período homólogo.

Cifrando-se em 154 mil milhões de euros, a atividade de investimento de 2013 registou o total anual mais elevado na Europa desde 2007. Até os países da zona euro mais atingidos pela crise, registaram um aumento da atividade de investimento.


Londres registou um último trimestre excecional, dinamizado por duas transações de escritórios na zona central de Londres, concluídas no final de dezembro por cerca de 2 mil milhões de euros. Consequentemente, a Grande Londres registou o investimento trimestral mais elevado de sempre, ultrapassando mesmo os picos mais elevados de 2007.

O investimento além fronteiras, proveniente principalmente da América do Norte e do Médio Oriente, continua a impulsionar o mercado londrino. Apenas uma das dez maiores transacções que ocorreram em Londres no quarto trimestre de 2013, foi realizada por um comprador com sede no Reino Unido.

Simon Barrowcliff, Executive Director do Departamento de Capital Markets da Zona Central de Londres da CBRE, comenta: “A popularidade de Londres entre investidores domésticos e internacionais, continua a crescer. A percepção dos investidores mudou significativamente ao longo de 2013, começando por considerar Londres como "porto seguro" e acabando a atrair maior quantidade e diversidade de capital, à medida que aumentavam o valor das rendas e a vontade de arriscar. O ambiente fiscal e legal, em conjunto com a estabilidade política do Reino Unido, fazem de Londres o principal destino mundial para investimento e este ano, verificou-se a chegada de capitais provenientes de países como a Malásia, China e Coreia do Sul. Esta tendência deverá continuar em 2014”.

O crescimento mais rápido registou-se nos mercados periféricos da Europa, em particular os que foram mais severamente atingidos pela crise do euro. Itália, Espanha, Portugal e Irlanda registaram todos bastante mais do dobro do valor total de investimento em imobiliário comercial no quarto trimestre de 2013, face ao mesmo trimestre de 2012.

Estes quatros países registaram perto de 5 mil milhões de euros em investimento no quarto trimestre de 2013, face a apenas 1,7 mil milhões de euros no quarto trimestre de 2012, fechando um ano de forte recuperação nos quatro mercados.

A forte procura por parte dos investidores também se refletiu em níveis mais elevados de investimento nos mercados da Europa Central e de Leste no quarto trimestre de 2013, em particular fora dos mercados core da Rússia, Polónia e República Checa. Concluíram-se transações significativas na Hungria, Roménia, Croácia, Eslováquia e Ucrânia, todos destinos onde os mercados de investimento estiveram pouco dinâmicos nos últimos anos.

Jonathan Hull, Managing Director, do Departamento de Capital Markets da região EMEA da CBRE, comenta: “Neste momento, está ativo na Europa um vasto conjunto de investidores, com maior incidência de atividade no segmento de valor acrescentado.

Os investidores oportunísticos estão interessados nos que são considerados mercados em recuperação, como Itália, Espanha, Portugal e Irlanda, assim como Europa Central e de Leste. Simultaneamente, continua a registar-se uma procura muito forte de produto de investimento core nos Centros de Negócios (CBD), como a zona central de Londres e as principais cidades alemãs, que foram destinos-alvo nos últimos doze meses”.

Tim Seconde, Director de Investimento da CBRE Portugal comenta: “Em Portugal, o volume de investimento em imobiliário comercial triplicou comparativamente a 2012, em resultado de um segundo semestre bastante ativo. O interesse dos investidores vai continuar a acelerar ao longo de 2014, com diversos tipos de compradores centrados em ativos core, contratos de longa duração, projetos de reabilitação ou oportunidades de valor acrescentado. Novos investidores surgem, numa base semanal, atraídos pela melhoria da estabilidade macro-económica e um retorno atractivo, em comparação com outros mercados da União Europeia que se estão a tornar demasiado competitivos".

Fonte: CBRE