sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Vendem-se mais casas na Margem Norte do Tejo, mas Margem Sul escoa produto em menos tempo

De acordo com o SIR – Sistema de Informação Residencial para a Área Metropolitana de Lisboa (AML), a Margem Norte do Tejo registou maior volume de vendas de casas no período acumulado entre o 3º trimestre de 2012 e o 2º trimestre de 2013 do que a Margem Sul, embora nesta última o tempo médio de absorção dos imóveis seja menor.

Excluindo os concelhos de Lisboa, Cascais, Oeiras e Sintra – com um peso nas vendas de 37%, 10%, 9% e 8%, respetivamente -, a Margem Norte concentrou 20% das vendas realizadas pela pool de empresas que integra o SIR na AML no período indicado, contra 17% registadas nos concelhos da Margem Sul. Nesse período, esta pool de empresas vendeu 3.351 fogos, com preços médios de venda de 1.771 €/m2 nas casas novas e 1.128 €/m2 nas usadas.

O preço de venda apresentou-se em média mais elevado na Margem Norte, situando-se em 1.013€/mô (total do mercado, ou seja incluindo quer fogos novos quer usados), o que compara com os 801 €/mô na Margem Sul. Em Lisboa, o preço médio de venda de casas situou-se em 1.640€/mô, enquanto que em Cascais, Oeiras e Sintra, esses valores foram de 1.372€/m2, 1.231€/m2, 821€/m2, respetivamente.

Em termos de tempo de absorção, na Margem Norte, as casas demoravam, em média, 9 meses a serem vendidas, com concelhos como Loures, amadora e Vila Franca de Xira a registarem tempos médios de absorção de entre 10 e 11 meses. Já na Margem Sul, esse tempo era, em média, de 6 meses.

Fonte: Ci