segunda-feira, 2 de junho de 2014

Mercado habitacional atrai interesse de investidores institucionais estrangeiros

A Confidencial Imobiliário (Ci) e o RICS – Royal Institution of Chartered Suveyors acabam de divulgar o Portuguese Housing Market Survey (PHMS) de abril, sublinhando que se tem vindo a denotar um crescente interesse por parte de investidores institucionais estrangeiros no mercado português de habitação, sobretudo devido à possibilidade de recuperação dos preços.

De acordo com Ricardo Guimarães, Diretor da Ci, “muitos dos testemunhos dos intervenientes no mercado que respondem ao inquérito são relativos ao aumento do número de investidores institucionais interessados no mercado português. Estes players reconhecem o dinamismo do mercado, especialmente devido ao potencial para recuperação dos preços”.

Josh Miller, Economista Sénior do RICS, acrescenta que “os resultados do inquérito de abril indicam que os preços e as rendas das casas estão perto de atingir os seus níveis mínimos, enquanto que as perspetivas relativas aos volumes de transação começam a animar. No entanto, para que tal se materialize, é necessário que a recuperação económica seja sustentada no médio-prazo”.

O inquérito de abril revela que os preços casas estão a descer ao ritmo mais lento dos últimos quatro anos (desde 2010), ano em que o PHMS foi lançado. Ao mesmo tempo, as expectativas relativas a preços apresentaram-se neste mês quase neutras, o que significa que os preços tenderão as estabilizar no curto-prazo. Por outro lado, os volumes transacionados deverão começar a crescer, sendo esperado um aumento das vendas nos próximos meses. O interesse dos compradores continuou a crescer, registando uma trajetória positiva pelo novo mês consecutivo. O índice de confiança nacional (medida composta de vendas e expectativas de preços) voltou a crescer este mês, registando o resultado mais elevado desde que este inquérito é realizado.

Em termos regionais, o mercado de compra e venda do Porto parece estar a ser superado pelos de Lisboa e do Algarve, antevendo-se ainda uma queda dos preços. Ao mesmo tempo, espera-se que o aumento de maior destaque no volume de vendas ocorra em Lisboa.

No mercado de arrendamento, as rendas continuaram a cair em abril, mas também a um ritmo mais moderado e as expectativas relativas a rendas (para os próximos três meses) sugerem agora que esta tendência decrescente pode estar perto de terminar. Entretanto, os inquiridos continuam a perspetivar um aumento no volume de arrendamentos para o curto-prazo. Em abril, a procura por parte dos arrendatários manteve-se inalterada, enquanto as instruções dos proprietários registaram uma queda.

Fonte: Ci