sexta-feira, 4 de julho de 2014

Queda do preço das casas em Portugal desacelerou em junho

O Índice Confidencial Imobiliário (ICi) revelou que o preço das casas em Portugal (Continental) desceu 0,6% em junho face a maio, o que ainda assim representou uma abrandamento do ritmo de queda mensal registado em maio (-0,9%). Face a junho do ano passado, os preços registaram igualmente uma desaceleração da desvalorização, recuperando 3 pontos percentuais para -1,6%.

Quer nas casas novas quer nas usadas, os preços recuaram em junho, caindo 0,6% em ambos os segmentos. Contudo, em termos homólogos, o preço das casas novas continua em terreno positivo, subindo 0,4% em junho face a junho do ano passado, enquanto que nas casas usadas se mantém negativo, com uma queda homóloga de 3,0% em junho.

No Algarve, os preços das casas também apresentaram uma desvalorização mensal em junho (-1,9%), a qual foi bastante mais acentuada do que a descida de -0,4% registada em maio face ao mês anterior. Esta desvalorização contribuiu para que a variação homóloga dos preços em junho (i.e, a sua performance face ao mesmo mês do ano anterior) tivesse abrandado para 3,2%, quando em maio os preços das casas no Algarve estavam a valorizar 5,2% em termos homólogos.

Ainda assim, a Confidencial Imobiliário sublinha que junho é o quarto mês consecutivo em que a taxa de variação homóloga dos preços das casas no Algarve se mantém em terreno positivo, o que já não acontecia desde janeiro de 2009.

Em termos de segmentação por estado de uso, foram as casas usadas a apresentar maior queda de preços em junho, nomeadamente de -2,4%, face a maio, enquanto que nas casas novas, essa descida foi de -1,2%. Na comparação homóloga, ambos os segmentos continuam a exibir uma valorização dos preços, com as casas novas a apresentarem em junho preços 4,2% acima dos verificados em junho de 2013 e as usadas 2,5%.

Fonte: Ci

Nota: O Índice Confidencial Imobiliário recorre à informação disponível no portal LardoceLar.com, desenvolvido e gerido pela Caixatec e que agrega a carteira de mais de 1.400 empresas de mediação imobiliária, numa oferta total acumulada de cerca de 500 mil imóveis. Assenta numa metodologia que contempla mecanismos de ajustamento de qualidade, nomeadamente estratificação e cálculo de preços-hedónicos.