sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Prémio Nacional de Reabilitação Urbana 2015 apresentado

Foi esta semana lançada a nova edição do Prémio Nacional de Reabilitação Urbana, que se realizará pela terceira vez. O período de candidaturas da edição de 2015 está já a decorrer e os vencedores serão conhecidos a 15 de abril do próximo ano, em Lisboa.

Enquanto entidade que apoia a Reabilitação Urbana, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa associa-se, uma vez mais, a esta iniciativa, a qual é organizada pela revista Vida Imobiliária e pela Promevi pelo terceiro ano consecutivo, e que visa distinguir quer as melhores intervenções realizadas em Portugal nos territórios prioritários de requalificação urbana quer as iniciativas focadas na renovação de edifícios, mesmo não estando integrados em zonas de reabilitação urbana.

A fase de candidaturas arrancou esta semana e irá prolongar-se até 16 de fevereiro de 2015. A 20 de fevereiro serão divulgadas as candidaturas aceites, decorrendo até 16 de março o período de entrega dos dossiers finais dos projetos a concurso.

Os vencedores serão anunciados numa cerimónia agendada para 15 de abril, a qual estará integrada na programação oficial da II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa.

A escolha dos projetos vencedores caberá a um Júri constituído por cinco personalidades independentes de reconhecido prestígio no âmbito da economia, arquitetura, engenharia e imobiliário nacionais. Tal como na edição anterior, em 2015 o Prémio Nacional de Reabilitação Urbana irá distinguir projetos em cinco categorias: Residencial, Comercial e Serviços, Turístico, Impacto Social e Cidade de Lisboa. Haverão ainda três Menções para a Melhor Reabilitação Inferior a 1.000 m², Melhor Intervenção de Restauro e Melhor Solução de Eficiência Energética.

A edição de 2014 registou um número recorde de candidaturas, num total de 48 projetos de reabilitação urbana, evidenciando um crescimento de cerca de 33% face às 36 candidaturas recebidas em 2013. A concurso estiveram projetos nas áreas de habitação, serviços & comércio, turismo e impacto social, oriundos de 18 pontos diferentes de Portugal, comprovando a amplitude que a Reabilitação Urbana tem vindo a ganhar no nosso país.

Fonte: VI