sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Níveis de confiança no mercado de compra e venda de habitação estão positivos há um ano

Os últimos dados disponíveis do inquérito mensal Portuguese Housing Market Survey (PHMS, produzido pelo RICS (Royal Institution of Chartered Surveyors) e pela Confidencial Imobiliário (Ci), mostram que os níveis de confiança no mercado de compra e venda de habitação em Portugal completaram, em novembro, 12 meses em terreno positivo.

Este é um indicador composto pelas expetativas quer em relação aos preços quer em relação às vendas. Assim, em novembro de 2014, o Índice de Confiança Nacional apurado pelo PHMS subiu ligeiramente para +17, seguindo o resultado de +14 observado em outubro e encontrando-se em território positivo desde há 12 meses.

De acordo com Ricardo Guimarães, Diretor da Ci, a maior abertura da Banca à concessão de crédito poderá estar também na base dos níveis positivos de confiança, já que “ pela primeira vez em anos, muitos agentes imobiliários estão agora a reportar que se tem observado um aumento do crédito fornecido por alguns bancos. Até há pouco tempo, apesar da recuperação do mercado, os bancos eram efetivamente vistos como mantendo a ‘porta fechada’”.

Josh Miller, Economista Senior do RICS, acrescenta que “a atividade no mercado de compra e venda recuperou a um ritmo equilibrado ao longo de grande parte do ano passado e, de forma animadora, os inquiridos esperam que este progresso acelere no futuro. Ainda assim, o crescimento relativamente forte do emprego registado nos últimos trimestres terá de continuar para fornecer apoio adicional ao mercado”.

Os resultados do PHMS de novembro apontam para uma recuperação contínua da atividade no mercado de compra e venda de habitação a nível nacional, embora com diferentes performances nas várias regiões analisadas. Em termos nacionais, as novas instruções de compra voltaram a aumentar, pelo décimo mês consecutivo, embora a um ritmo mais lento.

Também as transações continuaram a aumentar, marcando igualmente o décimo mês consecutivo no qual foi reportada melhoria. Apesar do aumento de atividade, os preços registaram, a nível nacional, uma ligeira queda, embora esta tendência não seja comum a todas as regiões. Em Lisboa, os preços das casas mantiveram-se inalterados, mas continuaram a cair no Porto e, em menor escala, no Algarve.

Já no mercado de arrendamento, o ligeira acréscimo de procura por parte dos arrendatários associado a uma queda da oferta por parte dos proprietários, tem ajudado a estabilizar as expetativas relativas a rendas, que estão a aproximar-se de um território neutro.. Ainda assim, as rendas continuaram a cair em novembro.

Fonte: Ci