sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Recuperação da atividade nos últimos meses estabiliza preços das casas

A recuperação sustentada da atividade no mercado de compra e venda de casas em Portugal tem resultado na estabilização dos preços, os quais se mantém relativamente inalterados ao longo dos últimos oito meses, nota o inquérito Portuguese Housing Market Survey (PHMS) de dezembro. Produzido pelo RICS (Royal Institution of Chartered Surveyors) e pela Confidencial Imobiliário (Ci), este estudo é mensal e avalia os setores de compra/venda de casa e de arrendamento em Portugal, tendo uma repartição regional que cobre Lisboa, Porto e Algarve.

Os resultados de dezembro destacam que a confiança no mercado de compra e venda continuou a reforçar-se, dando nota de uma evolução positiva dos indicadores neste segmento e da recuperação sustentada da atividade. Por um lado, a procura por parte dos novos compradores continuou a aumentar, um crescimento que se verifica quase há um ano e meio de forma ininterrupta.

Também as vendas acordadas aumentaram em dezembro pelo 12º mês consecutivo e as expectativas relativas a vendas apresentaram-se como as mais elevadas dos últimos quatro anos. Esta recuperação tem levado a que os preços se mantenham mais ou menos estáveis nos últimos oito meses, esperando-se agora que estes possam mesmo crescer, ainda que de forma marginal.

Ricardo Guimarães, Diretor da Ci, considera que “apesar de estarmos perante um desenvolvimento positivo, é necessário ter em atenção a atual conjuntura, dado que o cenário económico é ainda desafiante”. Mas nota ainda assim que “é interessante ver que, em alguns mercados, vários mediadores imobiliários referem haver relativa falta de imóveis disponíveis para venda. Isso ao mesmo tempo é uma notória subida da procura. Naturalmente, essa procura é orientada para as principais cidades e centros urbanos”.

Já Josh Miller, Economista Sénior do RICS, sublinha que “há medida que os meses passam, estamos cada vez mais confiantes de que o mercado de compra e venda encontrou terreno firme e que o setor de arrendamento não está muito longe de o fazer. Se o mercado pode ou não passar de um cenário geralmente estável para uma recuperação genuína dependerá de a própria recuperação económica ser sustentada. Neste âmbito, as expectativas parecem promissoras, mas não estamos ainda fora de perigo”.

No mercado de arrendamento, a procura por parte dos arrendatários continuou a subir em dezembro a um ritmo estável, sendo acompanhada por uma queda significativa das novas instruções dos proprietários. Como resultado, as rendas, apesar de mentarem a descida, caem ao ritmo mais lento desde que o inquérito foi lançado. Além disso, as expectativas relativas a renda apontam para uma tendência relativamente estável para os próximos três meses”.

Fonte: Ci