quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Candidaturas ao Prémio Nacional de Reabilitação Urbana 2015 encerram a 20 de fevereiro

Está na recta final o período de candidaturas ao Prémio Nacional de Reabilitação Urbana 2015. Esta 1ª fase encerra no final da próxima semana, a 20 de fevereiro, e dirige-se aos projetos de reabilitação urbana em Portugal, quer públicos quer privados, em edificado ou espaço público, que foram concluídos entre 1 de janeiro de 2013 e 31 de dezembro de 2014, possuindo a respetiva licença de habitabilidade emitida nessas datas.

A candidatura poderá ser submetida online por qualquer um dos intervenientes no processo de reabilitação. Os vencedores serão anunciados a 15 de abril, numa cerimónia pública que terá lugar no Palácio Nacional de Queluz, no âmbito da agenda da II Semana da Reabilitação Urbana Lisboa.

Nas duas primeiras edições, este Prémio recebeu um total acumulado de cerca de 90 projetos concorrentes, registando um crescimento de 30% entre a primeira e segunda edições. Para este ano, que assinala a terceira edição da iniciativa, a organização mantém as expectativas elevadas. “O Prémio Nacional de Reabilitação Urbana tem vindo a consolidar-se como a iniciativa de maior prestígio neste setor, numa evidente rota de crescimento, amplitude e transversalidade, quer de apoios quer de candidatos”, começa por comentar António Gil Machado, Diretor do Prémio Nacional de Reabilitação Urbana.

“Por isso, e associado a uma conjuntura que tem vindo a melhorar desde final de 2013, temos expectativas bastante otimistas face ao número de candidaturas recebidas nesta 3ª edição, que esperamos possam superar a edição anterior, que se cifrou em cerca de cinco dezenas”, acrescenta.

Finda esta 1ª fase, a organização da iniciativa irá proceder à validação das candidaturas submetidas tendo em conta a sua adequação ao regulamento, anunciando a 27 de fevereiro as candidaturas aceites e que poderão apresentar a documentação completa do respetivo projeto. Esta 2ª fase termina a 16 de março. Os projetos serão posteriormente analisados pelo corpo de jurados, que decidirá sobre as melhores intervenções em cada categoria.

O Júri é constituído nesta edição pelos arquitetos João Pedro Falcão Campos, João Carlos Santos, pelo economista Augusto Mateus, e pelos engenheiros Manuel Joaquim Reis Campos e Vasco Peixoto de Freitas.

O Prémio Nacional de Reabilitação Urbana distingue anualmente os melhores projetos de reabilitação urbana desenvolvidos em Portugal, premiando intervenções nas categorias de habitação, comércio & serviços, turismo e impacto social, além do melhor projeto localizado na cidade anfitriã do Prémio, que este ano volta a ser Lisboa. Recebem ainda menções honrosas a Melhor Reabilitação Inferior a 1.000 m², a Melhor Intervenção de Restauro e Melhor Solução de Eficiência Energética.

Uma organização conjunta da Vida Imobiliária e da Promevi, com o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, o Prémio Nacional de Reabilitação Urbana recebe este ano pela primeira vez o Alto Patrocínio do Governo de Portugal, através da Secretaria de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza. Em termos institucionais são também estreias os apoios da Ordem dos Arquitectos e da União das Misericórdias Portuguesas, que se juntam assim ao InCi, AHP e CPCI. No âmbito empresarial, apoiam o Prémio com patrocínios Platina, a Schmitt+Sohn, a Aguirre Newman, a ADENE e a Caixa Geral de Depósitos, e com patrocínios Ouro a Revigrés e a Sanitana. O Prémio Nacional de Reabilitação Urbana 2015 tem como Jornal Oficial o “Público”. A Luz e Som é parceira no apoio cenográfico.

Fonte:VI