quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Esta ganância de querermos ganhar tudo num único dia…

Podemos não saber quantos turistas cumpriram viagens internacionais em 2014 nem qual a percentagem de aumento - pois estamos seguros que esse número está a aumentar - verificada relativamente a 2013, mas podemos estar certos que o Grupo Intercontinental de Hoteis (IHG) o maior grupo hoteleiro do Mundo, recentemente notícia entre nós pelo interesse demostrado em novas unidades, sabe.

O IHG está - revela a Imprensa - a reforçar o negócio em Portugal, seja em hotéis de luxo, seja em unidades mais económicas. O grupo sabe que o número de turistas está a crescer e que, segundo a Organização Mundial de Turismo, esse número foi em 2014 de 1138 mil milhões (mais 51 milhões do que em 2013) tendo Portugal sido um dos países da União Europeia a registar maior fluxo turístico.

O Turismo parece desafiar as crises, como um escape para as próprias crises e como uma das vias que ajudam a superar essa mesma crise, contando até com o impacto positivo para o sector turístico da quebra dos preços do petróleo, desde que esta não seja excessiva ao ponto de gerar efeitos contrários que afectem tudo, turismo inclusive. Mesmo assim prevê-se que 2015 possa voltar a registar um crescimento no fluxo de turistas.

Esta tendência é verificável pelo aumento de tráfego de passageiros nos aeroportos portugueses, um aumento que em vez de possibilitar a diminuição das taxas aeroportuárias está a gerar o contrário, numa atitude pouco estratégica que pode fazer desviar Portugal das rotas turísticas emergentes, como se poderá ler nas entrelinhas das declarações do director comercial da Ryanair, David O”Brien, comentando este tão português esticar da corda.

Desde que a empresa que gere os aeroportos portugueses - a ANA - foi privatizada já se verificaram quatro aumentos de taxas, sempre com a justificação de serem aumentos pequenos. Mas muitos aumentos pequenos a multiplicar muitas vezes fazem aumentar as faturas das companhias aéreas com o risco de algumas canalizarem as respectivas operações para mercados mais atrativos.

A Ryanair, por exemplo, companhia também responsável pelo boom turístico que tem marcado o Porto e o Norte de Portugal, vai passar a voar para os Açores, como companhia de baixo custo, potenciando o turismo açoriano, uma região insular de potencialidades turísticas únicas e ainda muito por explorar. Não ter uma visão global sobre estas matérias, como se depreende quando registamos a febre dos aumentos das taxas, é não contribuir para uma Economia saudável e equilibrada.

Que importa que saibamos que o Grupo Intercontinental de Hoteis (IHG) está claramente interessado no Turismo em Portugal ou que os tailandeses do Minor Hotel Group, uma cadeia com mais de cem hotéis em todo o Mundo, estão igualmente a olhar para o nosso país como um destino turístico de excelência onde vale a pena investir, se nós, por cá, continuamos a dar tiros no pé com essa ganância de queremos ganhar tudo num dia?

Luís Lima
Presidente da CIMLOP




Fonte: Apemip