terça-feira, 21 de abril de 2015

Luís Lima: Conjunturalmente mais atrativos

A instabilidade política, social e económica que o Brasil vive, faz com que muitos brasileiros e muitos luso-descendentes procurem o imobiliário português como porto seguro para os respectivos investimentos. O nosso mercado imobiliário, como mercado estável que apresenta um potencial de valorização crescente, beneficia dessa conjuntura.

Já no ano passado, numa outra deslocação ao Brasil, sentira o enorme potencial de captação de investimento para o nosso imobiliário em que esta potência da América do Sul estava a transformar-se. Falamos a mesma língua mas a linguagem dos negócios está mais facilitada em Portugal do que em Terras de Vera Cruz. Apesar das vicissitudes por que temos passado.

Isto foi aliás reconhecido pelo Cônsul Geral de Portugal em São Paulo, Dr. Paulo Lourenço, que recebeu a comitiva portuguesa da Confederação da Construção e do Imobiliário de Língua Oficial Portuguesa (CIMLOP) que se deslocou à recente Reunião da Primavera da CIMLOP realizada nos passados dias 13 e 15 em São Paulo.

Um parêntesis para dizer que o calendário das reuniões da CIMLOP é determinado em função do país que detém a presidência, atualmente Portugal, razão pela qual a Reunião da Primavera que se realizou recentemente em São Paulo, no Brasil, continuar a ser referida como da Primavera apesar de ser Outono no Brasil.

Um encontro que contou, como convidados, com a significativa presença do Dr. Leite Maia, administrador do banco Santander Totta, e do Engº Jorge Madeira Diretor de Negócio Imobiliário da Caixa Geral de Depósitos, ambos interessados em conhecer a dimensão da procura que os investidores brasileiros manifestam pelo mercado imobiliário português.

Um Encontro que integrou ainda a Conferência “A tributação sobre o sector imobiliário nos países da lusofonia”, debate alargado a representantes de Portugal, do Brasil, de Angola e de Moçambique, onde houve troca de informações sobre a fiscalidade aplicada no sector imobiliário nos países lusófonos.

Organizada pelo SECOVI-SP, uma das maiores associações empresariais do sector na América Latina, esta Reunião da Primavera da CIMLOP integrou ainda, numa iniciativa da FIABCI Brasil, um encontro empresarial sobre “O mercado imobiliário português e demais países da língua oficial portuguesa”, em que tive a honra de participar também na condição de Presidente da FIABCI Portugal.

Neste encontro da federação global que é a FIABCI confirmei, mais uma vez, o interesse crescente dos brasileiros no imobiliário português, não apenas pela afluência, com sala cheia, mas pela curiosidade do público claramente constituído por investidores interessados no estado atual de retoma do sector imobiliário em Portugal.

Interesse que será confirmado no próximo encontro da CIMLOP, no próximo Outono em Lisboa, a par do Salão Imobiliário de Portugal (SIL2015). A CIMLOP é, como se sabe, uma instituição da lusofonia que cria condições para a captação de investimento, nas áreas da construção e do imobiliário, nos países a que pertencem as associações integrantes da confederação. Sem privilegiar qualquer dos países mas reconhecendo que, em cada momento, há sempre países, conjunturalmente, mais atrativos do que outros.

Luís Lima
Presidente da CIMLOP

Fonte: Apemip