segunda-feira, 27 de abril de 2015

Óscares do imobiliário 2015 marcados pelo bom sucesso

Aproveito o nome do melhor empreendimento do ano, na chegada da segunda série dos Óscares do Imobiliário, prémio atribuído ao Mercado do Bom Sucesso, no Porto, para registar o sucesso que foi o regresso da Gala dos Prémios Nacionais do Imobiliário, agora sob égide da Magazine Imobiliário, um projeto editorial lançado num período de adversidades e estagnação do sector, e que conseguiu singrar no mercado pela mão do seu diretor, Joaquim Pereira de Almeida e de Anabela Loureiro.

Ambos conhecem bem e são pessoas conhecidas no sector imobiliário, o que explica o ambiente da Gala, no Palacete do Hotel Tivoli, em Lisboa, uma festa que pode orgulhar-se de ter mobilizado a “família” imobiliária portuguesa. A Grande Noite dos Óscares do Imobiliário foi um encontro de gente muito empenhada no sector, gente que se respeita e mantém estima entre si, um encontro de profissionais que sabem incluir nos relacionamentos que os negócios exigem uma profunda dose de humanização, atitude que é também uma garantia para o reconhecimento do importante papel para a Economia de Portugal que os agentes deste sector desempenham.

Refiro e sublinho este aspeto em memória e homenagem de António Ribeiro de Freitas, presidente honorário da Associação de Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), cujo trabalho foi recordado nas conversas de muitos dos presentes, e que seguramente teria gostado de estar nesta gala da entrega dos óscares do imobiliário que distinguiu o que de melhor se fez no sector imobiliário no país no último ano.

Neste encontro, em que tive a honra de entregar o óscar na categoria da habitação ao edifício Lapa 111, reabilitação e construção nova, o grande vencedor foi o Mercado do Bom Sucesso, que arrecadou os prémios da categoria Comércio e o Melhor Empreendimento do Ano de 2015. A categoria “Escritórios” foi arrebatada pelo Étolie 240 e o Memmo Alfama Lisboa conquistou os prémios de Turismo e de Melhor Reabilitação, enquanto o Castelo dos Mouros recebia o prémio na categoria equipamentos sociais.

Escolhas determinadas por um júri que incluiu Almeida Guerra, presidente da Rockbuilding, Regino Cruz, arquitecto, Paulo Silva, director-geral da Aguirre Newman, César Neto, director-geral da Renascimóvel, e Eduardo Abreu, director-geral da Neoturis. Escolhas que projectam no patamar do Bom Sucesso empreendimentos localizados de Norte a Sul de Portugal.

A importância destes prémios é inegável. Mas seria também interessante que, num país pequeno como o nosso, as várias edições de prémios para as mesmas categorias e sectores pudessem conjugar-se para concentrar as distinções que o imobiliário merece num evento único, aproveitando as sinergias que se criariam. Pelo prestígio que acumulou, a marca dos óscares do imobiliário está em boas condições para dinamizar este desafio.

Os anfitriões da Gala do Palacete do Hotel Rivoli estão de parabéns e o mercado imobiliário português, cada vez mais um caso de Bom Sucesso, também.

Luís Lima
Presidente da CIMLOP

Fonte: Apemip