quarta-feira, 20 de maio de 2015

Área de construção de centros comerciais totaliza 39 milhões de m2

O desenvolvimento mundial de centros comerciais continua a crescer. Em 2014, verificou-se a abertura de um total de 11,4 milhões de m2 de novos centros comerciais, um valor acima dos 10,6 milhões de m2 em 2013.

Os mercados emergentes, e muito particularmente a Ásia, continuam a liderar o pipeline de promoção de centros comerciais, com mais de 39 milhões de m2 em construção no final do ano passado, sendo que a China representa mais de 60%. A Rússia, a Turquia e a Índia são também responsáveis por uma considerável fatia do espaço em construção, de acordo com o mais recente estudo da consultora imobiliária CBRE. A região de Xangai lidera o ranking de mais espaço em construção com 4,1 milhões de m2, seguida pela área de Shenzhen (3,4 milhões de m2) e Chengdu com 3 milhões de m2. 


No entanto, existe o risco de diminuição no ritmo de crescimento de novos projetos na China e na India devido às pressões económicas e financeiras colocadas nos proprietários. A construção de alguns centros comerciais foi parada devido à falta de financiamento. Em algumas situações, os proprietários estão mesmo a considerar a alteração do uso que pretendem dar ao espaço em causa.

Em 2014, a Europa representou 20% das novas aberturas, com a Rússia e a Turquia a liderarem esta listagem. Moscovo foi a cidade europeia mais ativa em 2014 e a única cidade no top 5 que não pertence à China. Entre os principais projetos concluídos destacam-se o Avia Park, que é neste momento o maior centro comercial da Europa, com 231 mil m2 de área bruta locável (ABC). Em Istambul surgiram oito novos centros comerciais, num total de mais de 440 mil m2 de área, fazendo desta cidade um dos maiores pipelines de promoção na Europa. Este facto ficou a dever-se ao fácil acesso ao crédito no mercado turco, que alimentou o consumo interno.

No Médio Oriente, Abu Dhabi reforçou a sua posição como um destino líder para projetos de retalho, com a conclusão de quatro novos centros comerciais, incluindo o Yas Mall, localizado na ilha com o mesmo nome, e com espaço para 400 lojas, 20 salas de cinema e 10 mil lugares de estacionamento. Paris foi novamente o mercado mais ativo na Europa Ocidental, com apenas um centro comercial aberto em 2014.

Natasha Patel, EMEA Retail Research da CBRE, comentou: “Os fatores que estão na base do pipeline de desenvolvimento de novos espaços mantiveram-se inalterados face ao ano passado, no que respeita à localização de novos projetos de construção com destaque para a Ásia e em particular para a China. Entre as restantes influências destaca-se o crescimento da classe média nos mercados emergentes, a urbanização de grandes cidades e a falta de espaços de retalho de alta qualidade que as insígnias internacionais exigem. A Europa Ocidental e os E.U.A. continuam a acusar falta de novos desenvolvimentos e a extensão ou a remodelação de centros comerciais já existentes será a principal aposta para continuar a atrair os principais retalhistas e consumidores”.

Portugal. Carlos Récio, Director de Retail da CBRE comenta “Num mercado maduro como o Português, podemos observar a tendência descrita internacionalmente e temos assistido mais nos últimos dois anos a remodelações ou ampliações de centros comerciais em detrimento da abertura de novos espaços projetados de raiz”.

Fonte: CBRE