quinta-feira, 4 de junho de 2015

Centro Histórico do Porto valoriza 43% desde 2009

Desde 2009, o mercado imobiliário do Centro Histórico do Porto observou uma valorização acumulada de 43%, refletindo o crescimento da dinâmica de investimento e de procura de edifícios para reabilitação.

Este resultado decorre do novo Índice de Preços da Baixa do Porto (Índice da Baixa do Porto) lançado pela revista Confidencial Imobiliário, no contexto dos trabalhos do Observatório da Reabilitação da Baixa do Porto, uma iniciativa conjunta com a Porto Vivo, SRU.

O Índice da Baixa do Porto foi produzido tendo por base o tratamento da informação de transações de imóveis, captada a partir dos procedimentos relativos aos direitos de preferência [1] associados às transmissões de imóveis localizados na Área de Reabilitação Urbana (ARU) do Centro Histórico do Porto.

O apuramento do índice reflete a evolução do preço/m2 de área bruta de construção, assentando em procedimentos de ajustamento de qualidade, designadamente na estratificação das transações de imóveis segundo a sua localização (dividindo a ARU em dez subzonas homogéneas) e segundo o seu perfil (segmentando entre edifícios por reabilitar e fracções reabilitadas). 

Os dados do Índice da Baixa do Porto mostram que esse território não ficou imune aos efeitos da crise, observando-se uma quebra nos preços de venda que atingiu 7,8% entre 2009 e 2011. Não obstante, o Centro Histórico do Porto acabou por inverter de forma rápida essa tendência, registando logo em 2012 uma valorização que atingiu os 19,9%, materializando o potencial de valor que estava cada vez mais latente. Os anos 2013 e 2014 foram igualmente positivos, alcançando valorizações anuais de 16,0% e 12,2% respetivamente.

Para Ricardo Guimarães, Diretor da Confidencial Imobiliário, «este índice de preços representa um salto muito significativo na capacidade da cidade do Porto para atrair investimento, na medida em que fomenta um maior conhecimento da realidade do mercado. Julgo que quer as instituições de crédito quer os investidores verão nesta informação um elemento chave para a sua atividade, mais ainda ao ser produzida por um ator independente face ao mercado, como é o caso da Confidencial Imobiliário. Os dados do índice mostram que o Centro Histórico do Porto tinha um potencial de valor que era inevitável que acabasse por se materializar. A progressiva estabilização na evolução dos preços aponta para uma crescente normalização do mercado, algo que será positivo para todos os agentes».

Nas palavras de Álvaro Santos, Presidente da Porto Vivo SRU, «os dados agora divulgados comprovam que o trabalho desenvolvido gerou uma dinâmica sustentável, retomando a atratividade de uma parte da cidade que durante longos anos sofreu um abandono considerável. É de salientar que a área residencial tem sido a mais ativa em termos de processos licenciados, ainda que num primeiro momento o uso se destine ao setor do turismo. Estes são fortes sinais de confiança para o mercado que fortalecem e promovem a expansão do processo de reabilitação urbana em curso».

Para além do Índice de Preços, outros dos resultados produzidos no âmbito do Observatório prendem-se com a estimativa do volume de investimento dentro da denominada ZIP – Zona de Intervenção Prioritária, que inclui as várias Áreas de Reabilitação Urbana. Tendo também por base a análise aos direitos de preferência, foi identificada a realização de 272 transações de imóveis no ano 2014, num valor total de 87,5 milhões de euros. Esses números quase duplicam face à realidade de 2013, traduzindo claramente o aumento da atividade.

Em paralelo, essa dinâmica está intimamente ligada com o ritmo de investimento em reabilitação na Baixa do Porto, traduzido, em 2014, no lançamento de 137 alvarás de construção para obras de reabilitação, mais do que duplicando face a 2013. No primeiro trimestre de 2015 foram já emitidos 34 novos alvarás, projetando para esse ano o mesmo ritmo de 2014.

Estes indicadores e resultados serão apresentados no dia 5 de junho, na Conferência Final do ‘PROGRAMA DE ACÇÃO DO MORRO DA SÉ’, realizada no âmbito da SEMANA EUROPEIA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

Recorde-se que o Observatório da Reabilitação da Baixa do Porto é uma iniciativa do Programa de Ação do Morro da Sé, enquanto Parceria para a Regeneração Urbana apoiada pelo Programa Novo Norte – ON.2

Fonte: VI

[1] Os direitos de preferência respeitam às transações a título oneroso entre particulares, de terrenos, edifícios ou frações em que a Porto Vivo, SRU, enquanto entidade gestora da Área de Reabilitação Urbana do Centro Histórico do Porto, conforme art.º 58 do DL 307/2009 de 23 de Outubro, alterado pela Lei 32/1012 de 1 4 de Agosto, tem intervenção.