terça-feira, 23 de junho de 2015

Luís Lima: Eishhh que exagero

Uma dos mais bem conseguidos anúncios de promoção, a uma promoção em supermercados capta a nossa atenção através de uma expressão comum, proferida por três personagens, que traduz a surpresa de preços tão baixos nas promoções anunciadas - “eishhh que exagero”…

Quem compra quer sempre comprar mais barato, embora seja difícil encontrar algum comprador que deixe escapar um “eishhh que exagero” por considerar a oferta exageradamente barata - este é o segredo do anúncio.

Mais fácil será ouvir um “eishhh que exagero” pelo contrário, por algo que se oferece a um preço realmente exagerado, ou seja, mais caro do que aquilo que deveríamos considerar um preço equilibrado e justo para todas as partes.

Olhando, à boleia deste olhar sobre aquela publicidade, para o imobiliário, apatece-me também dizer um “eishhh que exagero” quando ouço o desejo de uma rápida retoma a transformar-se numa realidade que está a melhorar mas ainda não regista aquela velocidade de cruzeiro.

É bom ser optimista. Sempre o fui e sempre tentei dirigir o olhar para o ângulo mais favorável, incentivando a esperança. A esperança - que é a grande componente do negócio dos cosméticos - está sempre presente em quase todos os demais negócios.

Mas esperança em exagero pode dar uma imagem distorcida do nosso mercado imobiliário. Continuamos a merecer a atenção de muitos investidores estrangeiros, temos, internamente, melhor acesso ao crédito e mais vontade de investir, mas nada de excessos de confiança.

Tem havido mais procura e mais transações de imóveis, nomeadamente nas centralidades das cidades que se renovam, o dinheiro tem estado relativamente barato mas a situação está longe de poder ser considerada eufórica.

E muito menos quando, embalada por esta doce esperança que paira no ar, a oferta faz crescer o preço para valores que geram na procura um “eishhh que exagero” muito diferente daquele que está a fazer um sucesso num anúncio de uma promoção a uma promoção em supermercados.

Este fenómeno é já visível, por exemplo, na oferta de imóveis bem localizados para uma reabilitação apetecível. Como a procura existe e é qualificada, a tentação de fazer aumentar os preços é muita e por vezes de tal envergadura que o negócio fica inviabilizado.

Os sinais de retoma da Economia existem mas são ténues e podem, a qualquer momento, inverter-se no incerto quadro político e económico da União Europeia e da Zona Euro em que nos encontramos.

A nossa classe média, um dos grandes motores do crescimento e do desenvolvimento em qualquer Economia, está muito assustada numa encruzilhada difícil e - como costumo dizer - em risco de perder o emprego, a casa, a face e a vontade de dar a volta a esta situação.

Da classe média portuguesa - e não apenas da classe média estrangeira que nos procura - também depende o regresso à qualidade de vida que mantém abertos os museus, os teatros e salas de concertos, os restaurantes, os jornais, as revistas, as viagens, tudo.

E neste ponto, nada do que eu estou a dizer é um exagero.

Luís Lima

Fonte: Apemip