segunda-feira, 8 de junho de 2015

Recuperação do mercado imobiliário comercial português

O Índice do Imobiliário Comercial Global do RICS monitoriza, trimestralmente, as tendências do mercado imobiliário comercial, na ótica dos investidores e ocupantes.

Os resultados deste estudo que correspondem ao 1º trimestre de 2015 apontam para a manutenção de um índice de confiança positivo por parte dos inquiridos, um pouco por todo o mundo, apesar de se manter um sentimento de cautela relativamente à macroeconomia.

A combinação de uma melhoria na performance da economia, melhoria na obtenção de crédito, e recuperação no mercado imobiliário, leva os entrevistados a apontar como mercados prósperos, o chamado “bloco da recuperação” constituído pela Irlanda, Espanha e Portugal. Para além do conjunto anteriormente referido, o Reino Unido e os Estados Unidos da América são outros dos países destacados.

O Índice RICS destaca igualmente o interesse crescente por parte dos investidores internacionais no mercado imobiliário espanhol e português (este último percecionado como economicamente atrativo); seguido pelo alemão, francês, checo e austríaco.

Tendências Macroeconómicas Portuguesas. Em 2014 a economia portuguesa cresceu 0,9% do Produto Interno Bruto (PIB), ainda que tenha registado uma subida modesta, foi a primeira vez que ocorreu em 3 anos. Para além desta recuperação na economia, a descida da taxa de desemprego em 2 p.p. e o aumento da facilidade do acesso ao crédito (88% dos inquiridos confirmam esta nova tendência), são outros fatores animadores que comprovam uma inversão na situação macroeconómica nacional.

A balança comercial apoiada pela desvalorização do euro poderia constituir um fator adicional que contribuiria para a melhoria da performance na economia, no entanto, essa condicionante não se fará sentir em Portugal, porque a grande maioria das exportações portuguesas são escoadas para a zona euro.

Ao analisar os riscos que pairam sobre a economia portuguesa, o Índice RICS aponta para a contínua redução do défice dado que, o governo português continua empenhado em reduzir o défice para 2,4% do PIB em 2015 (de 3% em 2014), por isso a despesa pública tenderá a manter a sua tendência decrescente. Uma necessária e contínua desalavancagem do setor privado e o risco de um período alargado de deflação constituem outras preocupações para os decisores políticos.

Mercado de Ocupantes. 
  • O Índice de Confiança dos Ocupantes registou 33 p.p. em 2015, depois dos 19 p.p. registados nos últimos 3 anos;
  • O nível de procura aumentou consideravelmente em todas as áreas do mercado imobiliário, à exceção do setor industrial;
  • A Vacancy Rate decresceu tanto no segmento dos escritórios, bem como no de retalho e aumentou ainda que modestamente, no setor industrial;
  • O valor dos incentivos atribuídos pelos proprietários, aos inquilinos, decresceu em todos os segmentos do imobiliário. A maior queda registou-se no setor dos escritórios;
  • Aponta-se para um aumento das rendas durante o ano de 2015 e prevê-se que o maior aumento se registe no setor de escritórios;

Mercado de Investimento
  • O Índice de Confiança dos Investidores aumentou para os 40 p.p., mantendo-se em território positivo há 5 trimestres;
  • Os Investidores nacionais e internacionais têm estado muito ativos em todos os segmentos do mercado imobiliário;
  • Paralelamente, a oferta de produto para venda não sofreu oscilações durante o último trimestre;
  • Dado o crescente interesse por parte dos investidores, os valores do capital deverão crescer em todos os segmentos do mercado;
  • A amostra portuguesa que sustenta este estudo acredita que as avaliações efetuadas às propriedades apresentam valores que se encontram estagnados ou abaixo do valor de mercado, com 53% dos inquiridos a sugerir que os valores estão baixos ou muito baixos.

Eric van Leuven, Presidente da secção portuguesa do RICS, comenta: “Este estudo trimestral do RICS constitui como que um barómetro do estado percecionado do mercado, uma vez que se baseia em opiniões dos membros que contribuem para ele. No entanto, esse sentimento positivo tem plena correspondência com a realidade, na medida em que, tanto os mercados de ocupação como os de investimento imobiliário, evidenciam um nível de atividade que já não víamos há muitos anos. É provável que 2015 venha a ser o ano com maior volume de investimento de sempre”.

Recorde-se que a RICS é um organização profissional global. Promove e faz cumprir as mais elevadas qualificações e normas profissionais no desenvolvimento e gestão de terrenos do imobiliário, construção e infraestruturas. O nosso nome garante consistência no cumprimento de normas – trazendo confiança aos mercados que servimos. O trabalho dos profissionais que representamos garante um mundo mais seguro; temos orgulho na reputação da nossa profissão e protegemo-la fielmente.

Fonte: RICS