quinta-feira, 16 de julho de 2015

Mercado de Escritórios cresce 53%

A análise do Mercado de Escritórios Junho 2015 publicada pela Aguirre Newman refere que área de escritórios contratada em Junho de 2015 totalizou 12.763 m2, valor 53% acima do registado em igual período de 2014 (8.324 m2).

Em termos acumulados, a área de escritórios contratada no primeiro semestre do ano (50.776 m2) foi superior em 24% à registada em igual período do ano transato (40.908 m2).

O total das operações registadas no primeiro semestre de 2015 foi de 123, correspondendo a mais 6 transações de arrendamento do que em igual período do ano anterior.

O maior número de operações verificou-se no Corredor Oeste (Zona 6) e no Parque das Nações (Zona 5), com respetivamente 31% e 27% da área transacionada. A Zona Secundária (Zona 4) não registou qualquer operação.

Numa análise geográfica do número de transações registadas no primeiro semestre de 2015, destaca-se o crescimento do Corredor Oeste (Zona 6) e da Zona Emergente (Zona 3), com, respetivamente, mais 7 e 6 transações, que em igual período de 2014.

Analisando a distribuição geográfica dos m² colocados, a Zona 6 (Corredor Oeste) e a Zona 5 (Parque das Nações) registaram os maiores crescimentos da área contratada no primeiro semestre de 2015 face a igual período de 2014, respetivamente 8.254 m2 e 2.896 m2.

Take Up Médio por Transação – Junho de 2015. A superfície média contratada por transação no primeiro semestre, aumentou cerca de 18%, de 350 m2 em 2014 para 413 m2 em 2015.

As zonas Corredor Oeste (Zona 6) e Zona Secundária (Zona 4), com variações de respetivamente, 68% e -100%, foram as que registaram maior variação na superfície média contratada por transação, no primeiro semestre, face a igual período de 2014.

Avaliando a absorção por intervalo de área contratada no primeiro semestre do ano em curso, nas zonas Prime CBD (Zona 1), Zona Emergente (Zona 3) e Corredor Oeste (Zona 6), mais de 60% das transações registaram uma superfície inferior a 300 m2.

Do total da área contratada no primeiro semestre de 2015, apenas 5% foi em edifícios novos e os restantes 95% em edifícios usados, denotando uma preferência clara por instalações usadas.

Relativamente à absorção por intervalo de área contratada, apenas 13 transações (cerca de 11% do total) registaram uma superfície superior a 800 m2 e 72 transações (cerca de 59% do total) registaram uma superfície inferior a 300 m2.

No mês de Junho de 2015, o sector “Serviços Empresas” foi o que se destacou, tendo sido responsável por 46% da área contratada (5.872 m2 num total de 12.763 m2).

Perspetivas para 2015. Se tivermos em linha de conta o comportamento do mercado de escritórios nos últimos doze anos, os anos de 2009 e 2014 registaram um Iº semestre com o nível de desempenho, face ao total do ano, mais baixo da série (respetivamente 37.361 m² e 40.908 m2). Já o ano em curso registou um nível de desempenho no 1º semestre superior ao dos últimos quatro anos (desde 2011).

Comparando a Absorção Anual vs Absorção Iº Semestre encontramos em 2004 o seu valor mais alto (58%) e em 2009 o seu valor mais baixo (32%), traduzindo respetivamente o melhor e o pior desempenho relativo do primeiro semestre nesse ano. Utilizando este indicador para estimarmos um número final para a colocação de escritórios em Lisboa, em 2015, apuramos três valores: de 121.000 m² (projeção I), traduzindo a média do período 2003/2014 para o valor da Absorção 1º Semestre na Absorção Anual; 157.000 m2 (projeção II), traduzindo o valor mais baixo, e 88.000 m2 (projeção III), traduzindo valor mais alto.

A absorção acumulada no 1º semestre do ano em curso aponta claramente para um maior dinamismo do mercado de escritórios em 2015. Apenas no mês de Abril de 2015 a área de escritórios contratada sofreu um decréscimo face a igual período do ano transato.

Fonte: Aguirre Newman