segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Absorção de escritórios em Lisboa regista aumento superior a 20% de Janeiro a Julho de 2015

Em termos acumulados, a área de escritórios contratada entre Janeiro e Julho de 2015 (56.343 m2) foi superior em cerca de 22% à registada em igual período do ano transato (46.181 m2).

A área de escritórios contratada em Julho de 2015 totalizou 5.567 m2, valor 6% acima do registado em igual mês de 2014.

O total das operações registadas de Janeiro a Julho de 2015 foi de 138, correspondendo a mais 9 transações do que em igual período do ano anterior.

O maior número de operações verificou-se no Corredor Oeste (Zona 6), com 29% da área transacionada, situando-se no extremo oposto a Zona Secundária (Zona 4) com apenas uma operação.

Numa análise geográfica do número de transações registadas de Janeiro a Julho de 2015, destaca-se o crescimento da Prime CBD (Zona 1) e da Zona Emergente (Zona 3), com mais 6 e 9 transações, respetivamente, que em igual período de 2014.

Analisando a distribuição geográfica dos m² colocados, a Zona 5 (Parque das Nações) e a Zona 6 (Corredor Oeste) registaram o maior crescimento da área contratada entre Janeiro e Julho de 2015 face a igual período de 2014, traduzido em 3.124 m2 e 4.812 m2, respetivamente.

Take Up Médio por Transação – Julho de 2015. A superfície média contratada por transação, de Janeiro a Julho, aumentou cerca de 14%, de 358 m2 em 2014 para 408 m2 em 2015.

A Zona Secundária (Zona 4) e o Parque das Nações (Zona 5), com variações de respetivamente, 246% e 44%, foram as que registaram maior variação na superfície média contratada por transação, entre Janeiro e Julho de 2015, face a igual período de 2014.

Avaliando a absorção por intervalo de área contratada de Janeiro a Julho do ano em curso, nas zonas Prime CBD (Zona 1), Zona Emergente (Zona 3) e Corredor Oeste (zona 6), mais de 50% das transações registaram uma superfície inferior a 300 m2.

Do total da área contratada de Janeiro a Julho de 2015, apenas 7% são em edifícios novos e os restantes 93% em edifícios usados, denotando uma preferência clara por instalações usadas.

Relativamente à absorção por intervalo de área contratada, 60 transações (cerca de 43% do total) registaram uma superfície superior a 300 m2 e as restantes 78 (cerca de 57% do total) registaram uma superfície inferior a 300 m2.

No mês de Julho de 2015, o setor “Serviços Empresas” destaca-se, tendo sido responsável por 36% da área contratada (1.986 m2 num total de 5.567 m2).

Fonte: Aguirre Newman/