quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

CBRE fecha o seu melhor ano de sempre e acredita num 2016 semelhante

A CBRE divulga hoje o resumo da atividade de 2015, com os melhores resultados de sempre deste que está em Portugal, há 27 anos, com todas as áreas de negócio a registarem um forte crescimento. A CBRE apresentou um crescimento de 50% face a 2014 e cresceu 29% em comparação com o ano de 2007, até aqui considerado o melhor ano de atividade da CBRE.

Francisco Horta e Costa, Diretor Geral da CBRE em Portugal, realça que “estes resultados refletem o momento positivo que o mercado imobiliário português atravessa, mas também o posicionamento estratégico adotado pela CBRE em sectores chave que nos permitiram concretizar transações emblemáticas como a venda de Vilamoura ou de três Centros Comerciais Dolce Vita.

Estes resultados são também fruto do profissionalismo da nossa equipa, que se dedica diariamente a fazer mais e melhor em prol dos nossos clientes, num mercado cada vez mais exigente.” O departamento de investimento assessorou 13 transações no valor de 260 milhões de euros, que envolveram 7 edifícios de escritórios, 3 centros comerciais, 4 lojas de comércio de rua e um ativo logístico. Destaque para a venda do edifício Praça Marquês de Pombal 1, de 9.000 m2, a um investidor privado chinês. Este é o 8º edifício comercializado pela CBRE na principal praça de Lisboa, nos últimos 18 meses. 

Entre os negócios emblemáticos salienta-se ainda a venda da flagship store da Hermès, no largo do Chiado, a um investidor privado português e a venda de 3 centros comerciais Dolce Vita ao Deutsche Bank, num total de cerca de 100.000 m2, sendo uma das maiores operações do sector de centros comerciais dos últimos 10 anos em Portugal.

O mercado de investimento registou em 2015 um volume de negócios superior a 2 mil milhões de euros. A CBRE foi responsável por1/3 dos negócios intermediados, que foram realizados por investidores de diferentes origens, como Estados Unidos, Alemanha, França, Reino Unido, China e Portugal.

A CBRE inicia 2016 com instruções exclusivas de comercialização de portefólios de imóveis de escritórios prime, um conjunto de 9 imóveis de logística com 125.000 m2 e um grupo de 86 imóveis de vários sectores.

O departamento de promoção comercializou vários imóveis no valor total de cerca de 240 mil milhões de euros no último ano. Entre os negócios concretizados destaca-se a venda de Vilamoura à Lone Star, em representação da Catalunya Caixa, a maior transação de um projeto imobiliário turístico dos últimos 10 anos, em Portugal. O projeto inclui a Marina de Vilamoura, a maior de Portugal e uma das maiores da Europa, e cerca de 700.000 m² de área de construção ainda por desenvolver. E ainda a venda de um conjunto de edifícios no gaveto entre a Avenida da Liberdade e a Rua Rosa Araújo, do Novo Banco, a um fundo detido pelo Perella Weinberg Real Estate Fund II. Este conjunto de edifícios com cerca de 10 mil metros de área de construção é já um dos projetos residenciais de maior sucesso em Lisboa.

No que respeita à agência, a CBRE registou um crescimento de 32% nesta linha de negócio. A agência de escritórios esteve envolvida na negociação de 32 mil metros quadrados, sendo que os mais emblemáticos foram o Webhelp, com 3.300 m2, localizado na Torre Fernão de Magalhães, no Parque das Nações e o BNP Paribas, com 2.000 m2, na Rua Alexandre Herculano, 50.

A agência de escritórios tem como principais instruções a comercialização do Amoreiras Square, o Avenida 252, o Edifício Niña, na Avenida 5 de Outubro, e o Alfrapark, em Alfragide.

A agência de comércio comercializou um total de 31.200 m2 distribuídos por Retail Parks (16.400 m2), Centros Comerciais (5.000 m2) e Comércio de Rua (9.800 m2). Entre os negócios de Comércio de Rua mais emblemáticos destaca-se a colocação da Loja das Meias e da Porsche Design na Avenida da Liberdade e a colocação da primeira loja da New Balance em Portugal, na Rua do Carmo. Na cidade do Porto, a CBRE foi ainda responsável por colocar a primeira loja em Portugal da Scalpers e a Anselmo 1910, ambas na Rua Cândido dos Reis.

Ao nível dos Retail Park e Stand alones, salienta-se a colocação da loja da Conforama, em Matosinhos, a Bricomarché, no Parque Mondego, em Coimbra, e o Espaço Casa, em Alfragide.

Em representação de insígnias (tenant representation) destaca-se a colocação da Michael Kors, no Centro Comercial Colombo, e a venda de 4 lojas e negociação de 15 agências do Barclays Bank.

As principais instruções deste ano foram o Ikea Center Algarve, Forum Aveiro, City Park Caldas da Rainha, Parque Mondego, em Coimbra, e as Galerias Península e Via Rápida, no Porto. Destaque no início deste novo ano para o Avenida da Liberdade 12 e Avenida da Liberdade 71, onde estão em comercialização 6 lojas com áreas que podem variar entre os 98 e os 2.258 m2.

A agência de armazéns e logística destaca a venda das instalações Campofrio à Brico Depot, em Mem Martins, um terreno de cerca de 41.500 m2, que inclui um edifício de 3.000 m2. A CBRE está a comercializar em exclusivo a venda de uma Nave Logística, no Parque Auto Europa, e um terreno industrial de 50.500 m2, junto a Palmela e com forte visibilidade para a A2.

No último trimestre de 2015 a CBRE iniciou a atividade da agência de residencial, completando a oferta de serviços imobiliários. Irá operar no sector da 1ª residência e do Turismo Residencial, procurando ocupar um lugar de referência, contando para isso com as equipas internacionais, com maior incidência nos escritórios de Paris, Londres, São Paulo, Shangai, Hong Kong e Pequim.

Em 2015, o departamento de avaliações avaliou cerca de 15 milhões de metros quadrados, totalizando um valor superior a 12 mil milhões de euros, com destaque para a avaliação do património do Novo Banco e do Banif, ambos para entidades privadas.

O departamento de Research e Consultoria registou um crescimento de 70% relativamente a 2014, o que representou o melhor ano de sempre desde que este departamento foi criado, há 10 anos atrás. Ao longo do ano foram desenvolvidos mais de 20 estudos de análise estratégica e reposicionamento, quer de centros comerciais quer de escritórios, análises de best-use para o desenvolvimento de terrenos e de apoio à transação de imóveis com a realização de relatórios de Due Dilligence Comercial.

Entre os trabalhos mais emblemáticos, inclui-se a análise estratégica do Dolce Vita Porto, Dolce Vita Douro e Dolce Vita Monumental, assim como a análise de best-use da Quinta do Bensaúde, em Lisboa.

No ano de 2015 o departamento de Gestão de Ativos Imobiliários registou um crescimento de 155%, acrescentando a gestão de mais 370.000 m2 de área bruta locável (ABL), passando a gerir no total mais de 500.000 m2, com um valor superior a 500 milhões de euros.

Na área de gestão de edifícios de escritórios destaca-se o trabalho desenvolvido para investidores institucionais, com quem a CBRE colaborou na gestão patrimonial, gestão de operações, bem como na execução de planos de investimento que levaram a uma valorização destes imóveis. Como novos clientes destaca-se a gestão da Torre Oriente (Colombo) para a Union Investment e a gestão do portfólio de logística e industrial para a Logicor.

No ano de 2015 há que destacar a manutenção de todas as instruções de gestão conquistadas em 2014, das quais se salientam o Forum Aveiro, Parque Mondego, Torreshopping e o Central Office.

Durante o ano de 2015, a atividade de Arquitetura e Gestão de Projetos desenvolveu vários projetos de execução de arquitetura e especialidades e a gestão de projetos de construção de interiores de escritórios. De destacar os escritórios da Merck, com 1.300 m2, a praça de alimentação do Forum Aveiro, com 1.200 m2, os escritórios da Nokia Here, com 300 m2, a remodelação das zonas comuns do edifício Avenida 252, os novos escritórios da Sealed Air, com 800 m2 e os novos escritórios da SAS, com 870 m2.

Esta área de negócio realizou ainda Due Diligences técnicas e urbanísticas importantes para clientes nacionais e internacionais, que são fundamentais para a tomada de decisão de proprietários, ocupantes e investidores, numa fase preliminar do projeto, já que é nesta fase que se começa a identificação de possíveis riscos e/ou oportunidades técnicas.

Entre os projetos de consultoria e apoio a transações desenvolvidos pela neoturis, em 2015, destacam-se trabalhos desenvolvidos para o Grupo Pestana, Vilamoura World e o Grupo Ferreira; entidades públicas e associativas como o Turismo de Lisboa e o Governo Regional da Madeira; e instituições financeiras e fundos de investimento como o Novo Banco, a Explorer Investments e diversos fundos de investimento de capital de risco internacional.

No Brasil, foram realizados trabalhos para o Club Med, Sol Meliá, Abu Dhabi Investment Authority e o Grupo Odebrecht, alargando o perímetro geográfico de atuação a São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia e Ceará.

Francisco Horta e Costa, Diretor Geral da CBRE Portugal, prevê que 2016 “manterá a tendência de investimento forte, com a entrada no mercado de portefólios de imóveis de grande dimensão que, em conjunto com o interesse já detectado de vários investidores, permite antever que o volume de negócios em 2016 irá manter-se ou até mesmo aumentar.”

“Ao nível da reabilitação, prevê-se a continuação da grande pressão na procura de imóveis em Lisboa, com os investidores gradualmente a procurarem localizações alternativas, com destaque para as zonas prime do Porto. Por outro lado, no sector residencial/turístico a retoma do investimento em promoção imobiliária vai acentuar-se, nomeadamente nas zonas mais consolidadas, na medida em que nestas áreas não existe stock relevante e o ritmo da procura tem aumentado. Esperam-se várias transações de projetos de pequena/média dimensão neste sector, nomeadamente no Algarve.”

“O mercado de escritórios vai-se caracterizar pela escassez da oferta de qualidade com alguma dimensão, o que irá provocar uma forte tendência para os pré-arrendamentos de imóveis a reabilitar ou a construir de raiz.”

Francisco Horta e Costa antecipa ainda que “é expectável que no turismo cresçam as operações relacionada com a atracão, seleção e negociação de operadores para a gestão de ativos hoteleiros existentes ou em desenvolvimento, assim como a revisão conceptual de modelos de negócio para empreendimentos turístico-imobiliários integrados.”



Em 2015, e como resposta ao aumento do número de negócios, a CBRE integrou mais 21 colaboradores na sua equipa, tendo agora uma equipa de 60 pessoas.




Fonte: CBRE