quinta-feira, 9 de junho de 2016

Office Flashpoint: Empresas já arrendaram perto de 40.000 m² de escritórios em 2016

A absorção no mercado de escritórios de Lisboa nos primeiros quatro meses de 2016 ascendeu a 39.571 m², num crescimento de 23% face a igual período de 2015 (32.118 m²), revela a JLL no Office Flashpoint relativo a abril. A consultora foi responsável pela colocação de 20% da área ocupada no mercado de escritórios de Lisboa nos primeiros quatro meses de 2016.

No documento de análise ao mercado de escritórios de Lisboa, a JLL sublinha também que, no acumulado do ano, a área média por operação foi de 660 m², o que confirma a continuação de tendência de procura por espaços de maior dimensão (em 2015, a área média transacionada ficou em 562 m²).

No período de janeiro a abril, a Nova Zona de Escritórios (que abrange a franja da 2ª Circular ao Campo Grande, além do eixo da Praça de Espanha/av. José Malhoa) lidera a atividade de ocupação, com 22% da área arrendada, mas é seguida de imediato pelo Prime CBD (eixo av. Liberdade – Saldanha) e pelo CBD (eixo Saldanha- Entrecampos e Amoreiras), onde a absorção no acumulado do ano foi de, respetivamente, 21% e 20% do total. Do lado da procura, foram as empresas de TMT’s & Utilities e as de Serviços a Empresas as que mais necessitaram de novos escritórios, concentrando, respetivamente 33% e 32% da absorção no acumulado do ano.

Em termos mensais, o Office Flashpoint revela que a absorção em abril ascendeu a 6.185 m², o que evidencia menor dinamismo do que no mês anterior (-52%), mas um crescimento significativo face ao mês homólogo (+133%). Neste mês, a área média arrendada fixou-se em 442 m², revela a JLL.

Em abril foi também a Nova Zona de Escritórios que se mostrou mais ativa na ocupação de espaços, concentrando 37% do total arrendado no mês. A boa performance desta zona em abril deveu-se à mudança da Noesis para 1.800 m² das Torres de Lisboa, naquela que foi a maior operação do mês e que foi assessorada pela JLL. Tal como no acumulado, as zonas do Prime CBD (16%) e CBD (15%) integram também o top 3 das mais dinâmicas em termos de take up mensal.

Igualmente em linha com o que se verificou no total do ano à data, em abril foi também a área de TMT’s & Utilities a registar maior dinamismo na tomada de espaços de escritórios (36%), embora na análise mensal a segunda posição seja ocupada pelas empresas de Serviços Financeiros, que foram responsáveis pelo arrendamento de 17% da área arrendada em abril.

Fonte: JLL