terça-feira, 2 de agosto de 2016

Construção de centros comerciais sobe para 41,9 milhões m2

Segundo o mais recente estudo da CBRE, a construção mundial de centros comerciais continua a aumentar de 39 milhões de metros quadrados, em 2014, para 41,9 milhões em 2015. As cidades asiáticas marcam presença em nove dos dez mercados globais mais ativos.

O relatório que analisa a promoção dos centros comerciais em 168 grandes cidades, destaca o facto da China continuar a ser o mercado mais ativo no que respeita à disponibilização de novos espaços, representando dois terços da construção a nível global. Cidades como Chongqing, Shenzhen, Chengdu e Xangai têm mais de 3 milhões de metros quadrados em construção, com mais de 30 projetos em cada cidade.

Os mercados emergentes como Manila, Moscovo, Cidade do México e Bangalore continuam a ser muito ativos. No entanto, a atividade nos mercados emergentes da Europa de Leste, como o Russo, sofreram uma diminuição no ritmo, tendo em conta as incertezas económicas e políticas que se vivem presentemente.

No geral, também o ritmo de conclusão de projetos de centros comerciais diminuiu, numa altura em que o mercado de retalho sente um claro desequilíbrio entre a procura e a oferta. A nível global, verificou-se a abertura de 10,7 milhões de metros quadrados de novos espaços em 2015, um número abaixo dos 12,1 milhões de metros quadrados em 2014. A atividade desta área na Europa continua a desenvolver-se a um ritmo inferior ao que acontece na Ásia, com apenas um quarto das cidades na região de EMEA a concluir um novo espaço no ano passado e os níveis de conclusão de projetos reduziram de 2,6 milhões para 1,6 milhões. A região EMEA representou 15% do total de conclusão de projetos em 2015. A maioria do espaço construído situa-se nas cidades russas.

Moscovo é mais uma vez o único mercado fora da Ásia que aparece no top 10 de conclusões de áreas de centros comerciais. Em 2015, os sete espaços comerciais construídos em Moscovo representaram 404.392 m2. Entre estes projetos, o Columbus (135.000 m2) e o Kuntsevo Plaza (68.000 m2) forma inaugurados em 2015. Espera-se que 2014 e 2015 sejam os anos mais ativos nas projeções para a Rússia, uma vez que será um desafio assegurar financiamento para 2016.

Natasha Patel, Director de EMEA Retail Research da CBRE comentou: “A promoção na área dos centros comerciais continua particularmente ativa na Ásia, muito embora se sintam algumas mudanças este ano, nomeadamente na conclusão de projetos, em muitos casos em mercados onde já existem elevados níveis de construção a que se junta uma diminuição da procura, e onde os proprietários se expõem agora a um cenário de elevada oferta.”

“Na Europa Ocidental e nos EUA a falta de espaços de qualidade continua a ser um problema. As extensões, as remodelações e as reposições de ativos já existentes continuam a ser a principal preocupação num esforço para atrair marcas de renome e consumidores. O acesso a espaço de qualidade vai continuar a ser um desafio em muitos mercados e vai obrigar muitos retalhistas a considerarem formatos de retalho com grande afluência, como zonas de transportes”.

Fonte: CBRE