terça-feira, 16 de agosto de 2016

Imobiliário comercial português movimenta €885 milhões nos primeiros seis meses de 2016

Entre janeiro e junho de 2016, foram investidos €885 milhões na aquisição de imóveis de uso comercial [1] em Portugal. Este volume de investimento foi aplicado em 21 transações, as quais envolveram imobiliário de retalho, de escritórios, de logística/industrial e ainda hotéis.

Os dados são revelados pela JLL no seu mais recente Market Pulse, onde a consultora analisa a performance dos mercados ocupacionais e de investimento imobiliário no 2º trimestre de 2016. Os imóveis para uso de retalho foram os mais transacionados no semestre, concentrando 45% do total investido, e também os ativos de escritórios mereceram a atenção dos investidores, ao serem responsáveis por 39% do volume semestral de investimento.

No seu relatório trimestral, a JLL dá ainda nota de que a classe “Outros Usos” (onde a hotelaria é dominante) teve um peso de 11%, sendo que o setor industrial concentrou apenas 4% do volume transacionado no semestre. 

De acordo com Pedro Lancastre, diretor geral da JLL Portugal, “o investimento em imobiliário comercial mantém-se bastante elevado, voltando a superar, em apenas um semestre, o total anual registado entre 2008 e 2014. As perspetivas são para que, no restante do ano, os volumes transacionados continuem em níveis bastante elevados, apesar de uma conjuntura europeia mais marcada pela incerteza. No caso do Brexit, que já afectou o mercado de investimento do Reino Unido, não se verifica, até agora, impacto em Portugal e, mesmo a médio-prazo, qualquer reflexo deverá ser pouco expressivo. Por isso, acreditamos que os investidores vão continuar a considerar o nosso mercado nas suas estratégias, aproveitando muitas das boas oportunidades existentes com boas rentabilidades, voltando a colocar 2016 como ano record de investimento imobiliário”, conclui.

Ainda no âmbito do mercado de investimento, a JLL apurou que mais de 95% do volume investido é de origem internacional, revelando também que as yields se mantiveram inalteradas em todos os segmentos no 2º trimestre face ao trimestre anterior, quando se tinha assistido a uma compressão generalizada. Ainda assim, em termos homólogos, continuam a descer de forma transversal a todos os segmentos, com compressões entre 125 e 50 pontos base.

Nos mercados ocupacionais, o balanço semestral refletido no Market Pulse é igualmente animador. Nos primeiros seis meses do ano, as empresas arrendaram mais 57% de área de escritórios do que no mesmo período de 2015. No total, foram ocupados 79.506 m2 de escritórios em Lisboa na primeira metade do ano, dos quais 46.120 m2 no 2º trimestre. Associado a este dinamismo e ao facto de a promoção de novos escritórios ser bastante limitada, a taxa de disponibilidade voltou a recuar, terminando o semestre nos 10,4% do stock existente de escritórios (cerca de 4,6 milhões de m2). Pelas mesmas razões, a renda prime de referência – que é de 18,5 euros/m2/mês – mantém a tendência de subida, ainda que ligeira. Esta tendência é igualmente patente em zonas como o Parque das Nações e o Corredor Oeste, mas com crescimentos mais acentuados entre 10 e 20% em termos homólogos, fixando-se no final do semestre, respetivamente, em 14,5 euros/m2/mês e 12 euros/m2/mês.

No mercado de retalho, a evolução é também positiva, especialmente no comércio de rua, quer em Lisboa quer no Porto. Este segmento tem beneficiado do boom do turismo, particularmente nas zonas históricas, mas também das mudanças de hábitos de consumo, que estão a marcar um regresso das vivências de bairro e da revitalização do comércio de conveniência em zonas residenciais. Em Lisboa, o Chiado é atualmente a principal referência, com uma renda de 120 euros/m2/mês (subida homóloga de 9% no 2º trimestre) e uma ocupação quase plena nos principais eixos. O interesse dos retalhistas nesta zona tem aumentado o dinamismo em eixos mais secundários e com rendas mais acessíveis, como a Rua da Misericórdia e a Rua do Alecrim, como foi patente nas aberturas de lojas no semestre – casos da Paez e DCK. Já na avenida da Liberdade, mais conotada com um segmento de luxo e uma renda de 90 euros/m2/mês que se manteve estável em termos homólogos, a disponibilidade de espaços está menos limitada, devido ao surgimento de novos projetos de reabilitação. Neste semestre, destaca-se a abertura da Loja das Meias. Na Baixa, a disponibilidade de espaços é também reduzida, sendo esta a zona que mais beneficiou com o turismo e onde as rendas mais têm subido. Neste caso, a renda, em torno do 90 euros/m2/mês, subiu 29% em termos homólogos no 2º trimestre. A Adidas e a Geox/Sketchers foram algumas aberturas nesta zona durante o semestre. No Porto, o principal eixo da Baixa – a rua de Santa Catarina - tem também estado no radar dos retalhistas, igualmente devido ao turismo, com uma subida homóloga de 25% nas rendas para os 50 euros/m2/mês. As zonas dos Clérigos e dos Aliados também estão bastante dinâmicas, esperando-se novos projetos e lojas ainda este ano. A JLL sublinha ainda que os centros comerciais prime também beneficiaram do turismo, embora se continuem a diferenciar os ativos prime dos secundários. Ainda assim, o ritmo de novas aberturas mantém-se muito reduzido, com apenas dois projetos inaugurados no semestre, nomeadamente o Nova Arcada em Braga, com 68.000 m2, e o Rio Retail Park, em Monção, com 10.500 m2. As rendas dos centros comerciais situam-se em 100 euros/m2/mês, evidenciando uma variação homóloga positiva de 5%, e os retail parks, com uma renda de 10 euros/m2/mês, mantêm-se inalterados. Face ao trimestre anterior, em todos os segmentos de retalho, as rendas não sofreram alterações, termina ainda a JLL.







O MARKET PULSE é um research trimestral produzido pela JLL onde a consultora analisa o desempenho dos mercados de ocupação dos mercados de ocupação de escritórios e retalho e o mercado de investimento, tendo em conta os principais indicadores de procura e oferta, bem como valores de renda, transação e yields. Aceda ao relatório do 2º trimestre aqui.






[1] Ativos comerciais englobam os setores imobiliários de uso não residencial, especialmente escritórios, comércio e indústria. Está ainda considerada a classe “Outros”, onde se integram imóveis de uso hoteleiro e turístico, entre outros.






Fonte: