terça-feira, 4 de outubro de 2016

C&W publicou Marketbeat Portugal Outono 2016

A Cushman & Wakefield publicou o novo Marketbeat Portugal Outono 2016 publicado hoje e que analisa os setores de escritórios, retalho, industrial, residencial e hoteleiro, bem como a atividade de investimento imobiliário em Portugal.




Principais destaques de cada setor no Marketbeat Portugal Outono 2016: 
  • Retalho: Centros Comerciais mantêm-se como o conceito dominante, representando a maior parcela do Take Up registado no 1º semestre, 58%; O Comércio de Rua ganha importância como formato complementar e contribui com 36% das operações realizadas na primeira metade do ano; Rendas no Chiado chegam aos 3 dígitos, fechando o semestre em 100 €/m2 mês
  • Escritórios: Sector mais ativo do imobiliário comercial neste primeiro semestre; Volume de área transacionada atinge os 79,500 m2, representando uma subida de 57% face ao ano anterior; Taxa de desocupação desce para um dígito após 6 anos, situando-se nos 8,7%; Escassez de espaço de qualidade é hoje evidente no centro da cidade, com maior ênfase no Parque das Nações em que os espaços disponíveis são praticamente inexistentes, taxa de desocupação nos níveis mais baixos de sempre, 2,2%
  • Residencial: Mercado estrangeiro com peso muito significativo no segmento prime – mas portugueses representaram mesmo assim 39% das compras desde 2014; Brasileiros e Franceses são os principais clientes do produto prime, com 24% e 7% das compras efetuadas
  • Investimento: Volume de negócios no primeiro semestre atinge os €872 milhões e triplica a media da última década; Investimento estrangeiro domina o mercado – 93% do total; Franceses em estreia como a origem de capital dominante – 27% em linha com o Reino Unido.

Marketbeat Portugal Outono 2016

Fonte: Cushman & Wakefield