terça-feira, 4 de outubro de 2016

Negócio residencial da JLL cresce 37% desde o início de 2016

As vendas realizadas pelo departamento residencial da JLL aumentaram 37% no 1º semestre de 2016 face ao mesmo período de 2015, revela a consultora num primeiro balanço após a aquisição, no início deste ano, da Cobertura, empresa com quase 30 anos de experiência no mercado habitacional premium.

Os bons resultados são igualmente visíveis no reconhecimento acrescido da JLL neste segmento de mercado, onde, desde janeiro, angariou 23 novos empreendimentos de habitação de gama média-alta e alta em Lisboa, Cascais e Porto para comercialização, em regime de exclusividade ou co-exclusividade.

Focada em posicionar-se como líder de mercado no segmento residencial premium em Portugal e seguindo a estratégia de crescimento que motivou esta aquisição, a JLL inaugurou ontem um novo espaço de atendimento a clientes em Cascais. A loja situa-se no centro desta vila, com elevada visibilidade e uma aposta clara num atendimento mais próximo e personalizado, requisitos cada vez mais exigidos pelo público que procura produtos residenciais de gama média-alta e alta.


A JLL tem atualmente em funcionamento outra loja em Lisboa, que até final do ano será relocalizada para um ponto mais central da cidade, pretendendo ainda reforçar a sua presença em pontos de contacto com o público nas cidades de Lisboa e Porto.

“O balanço é extremamente positivo e os resultados têm mesmo superado as nossas expetativas iniciais, confirmando que esta integração tem sido um sucesso. Estamos, por isso, muito satisfeitos com esta decisão que tomámos”, começa por referir Pedro Lancastre, Diretor Geral da JLL. “Com a aquisição da Cobertura alárgamos o leque de serviços prestados às áreas de arrendamento e habitação usada e ganhámos escala quer em termos de serviços e áreas cobertas, quer de canais de venda e recursos humanos. Tal permitiu-nos aumentar o volume de negócios e conquistar a confiança de diversos promotores e clientes, com o óbvio reflexo no portefólio de empreendimentos em comercialização, atualmente o mais vasto no segmento médio-alto e alto e que nos permite ser o player com maior abrangência e conhecimento do que se está a vender neste mercado”.

Patrícia Barão, Head of Residential da JLL, acrescenta: “É de facto, um crescimento considerável, que obviamente também está a ser impulsionado pelo bom momento do mercado residencial. Este setor apresenta uma dinâmica nunca antes vista, não só pela forte procura internacional como também pela crescente procura do público nacional. E dadas as perspetivas positivas para a sua evolução e a nossa capacidade de resposta e qualidade de serviço, acreditamos que, até ao final do ano, vamos continuar a crescer não só em termos de vendas como de projetos em comercialização”.

Nos primeiros seis meses de 2016, a JLL/Cobertura vendeu unidades residenciais a compradores oriundos de 22 nacionalidades diferentes, sendo 35% das transações realizadas por portugueses e 65% por estrangeiros, de entre os quais se destacam os brasileiros, franceses e os clientes do Médio Oriente.

A carteira de projetos que a empresa tem atualmente em comercialização, em regime de exclusividade ou co-exclusividade, conta com uma grande diversidade de empreendimentos residenciais de gama média-alta e alta localizados em zonas prime de Lisboa, Cascais e Porto, abrangendo produtos diferenciados quer em termos de tipologias e localizações, como de conceito, valências, valores e público-alvo, mas que se destacam por serem referências de mercado em zonas de elevada valorização.

No início de 2016, a JLL adquiriu a Cobertura para reforçar o seu crescimento na área residencial, lançada pela consultora em 2015 e considerada estratégica para a sua atividade em Portugal. Com o objetivo de posicionar-se como líder de mercado e prestar um serviço completo ao cliente, a JLL disponibiliza atualmente uma gama de serviços que contempla a comercialização de projetos residenciais, consultoria e marketing para este mercado, abrangendo produtos novos e usados quer para arrendamento quer para venda.

Fonte: JLL