segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Novo projeto residencial Villa Garcia recupera propriedade setecentista no Restelo

Villa Garcia é o mais recente projeto residencial a nascer no Restelo, uma das zonas mais nobres e tradicionais de Lisboa. O empreendimento recuperará uma propriedade de final de século XVIII, que foi residência provisória de D. João V e que viria mais tarde a ser ocupada pela família de Cadaval.

O palácio setecentista integrado nesta quinta será um dos principais alvos de reabilitação, dando lugar ao conjunto de 14 apartamentos denominado “Casas do Palácio”. Nos jardins, que também serão intervencionados, prevê-se o desenvolvimento do núcleo “Casas do Jardim”, com 13 apartamentos.

O conjunto de 27 unidades residenciais, que contempla tipologias entre T1 e T4+1, está disponível para venda desde 27 de janeiro, estando a dinamização comercial a cargo da JLL Cobertura.

“O Restelo continua a ser considerado uma das melhores zonas residenciais de Lisboa, situado junto ao rio e sendo central sem estar na azáfama do centro da cidade. É um bairro que se mantém como uma referência de prestígio em termos de habitação, sendo especialmente atrativo para um público nacional com o objetivo de estabelecer-se para habitação própria. Isto, aliado aos atributos do projeto, que se distingue pela elevada qualidade e pelo cunho histórico mantido num conceito contemporâneo, deixa-nos muito otimistas em relação ao ritmo de vendas”, comenta Patrícia Barão, Head of Residential da JLL.

Com entrada pelo número 99 da Rua de Pedrouços, o Villa Garcia é promovido pela SIT – Sociedade Imobiliária do Tejo e irá apostar na recuperação do esplendor do palácio existente, onde se integra um conjunto de painéis de azulejos datados de final do século XVIII e que se estima terem sido encomendados durante o reinado de D. Maria I. Prevê ainda a valorização dos espaços exteriores, reabilitando as zonas ajardinadas e transportando-as para a modernidade com a integração de uma área de piscina e de lazer, além de valências de estacionamento.

No núcleo “Casas do Palácio”, a nascer da recuperação do palácio, serão integrados 14 apartamentos de tipologias T1 a T4+1 com áreas que variam entre os 73 e os 362 m2, destacando-se o pé-direito de 3,40 metros em algumas unidades, além das generosas varandas e terraços. Nas “Casas do Jardim” a oferta é composta por 13 apartamentos nas tipologias T1 a T4 com áreas entre 137 e 226 m2, envolvidos pelos jardins e onde as áreas para o exterior, como as varandas e os terraços, são uma vez mais bastante valorizadas.

A proximidade ao Rio Tejo, bem como a uma vasta oferta cultural, de lazer e serviços na envolvente, nomeadamente parques, jardins e diversas instituições de ensino, são atributos de peso para o Villa Garcia. Este projeto beneficia ainda de uma excelente luminosidade, além da qualidade construtiva que faz a ligação dos valores históricos e do património existente com a contemporaneidade. A construção do empreendimento iniciou-se no final de 2016 e tem conclusão prevista para o terceiro trimestre de 2018.

Fonte: JLL